As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

O WikiLeaks e o lobby do petróleo no Brasil

Jose Roberto de Toledo

14 Dezembro 2010 | 15h21

O WikiLeaks divulgou uma série de documentos que dão pistas de como atua o lobby da indústria petrolifera na regulamentação do pré-sal no Brasil. As mensagens publicadas compreendem 16 despachos enviados pelo Consulado dos EUA no Rio de Janeiro para o Departamento de Estado entre 28 de janeiro de 2008 e 11 de dezembro de 2009.

Nem todos os documentos vazados tratam da questão do petróleo. Há “cabos” sobre segurança no Rio, tráfico de drogas, noticiário de imprensa, entre outros assuntos. A maioria tem baixo grau de confidencialidade. Apenas cinco são carimbados de “confidenciais”. Nenhum é “secreto”.

O maior interesse nos documentos é saber o que chama a atenção da diplomacia norte-americana no Rio, entender quem é quem no jogo entre política e negócios, saber quais os interesses das petrolíferas estrangeiras na regulamentação da exploração do pré-sal, e como atuam para atingir seus objetivos.

Boa parte do conteúdo trata de reuniões entre diplomatas dos EUA e executivos das empresas de petróleo, encontros com várias pessoas, nada secretos. A jornalista Natalia Viana escreveu um post no seu blog sobre o conteúdo.

A seguir, a lista dos despachos, em ordem cronológica, e com a classificação de segurança de cada um. Os textos estão em inglês:

08RIODEJANEIRO19 (apenas para uso oficial)

08RIODEJANEIRO91 (apenas para uso oficial)

08RIODEJANEIRO165 (apenas para uso oficial)

09RIODEJANEIRO14 (sem restrição)

09RIODEJANEIRO288 (confidencial)

09RIODEJANEIRO369 (confidencial)

05RIODEJANEIRO1238 (sem restrição)

05RIODEJANEIRO1242 (apenas para uso oficial)

08RIODEJANEIRO171 (sem restrição)

09RIODEJANEIRO285 (sem restrição)

09RIODEJANEIRO311 (sem restrição)

09RIODEJANEIRO329 (confidencial)

09RIODEJANEIRO353 (apenas para uso oficial)

09RIODEJANEIRO357 (confidencial)

09RIODEJANEIRO365 (confidencial)

09RIODEJANEIRO440 (apenas para uso oficial)

Mais conteúdo sobre:

economiapetróleoWikiLeaks