1. Usuário
Assine o Estadão
assine

  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Datafolha: 40% dos petistas acham governo Dilma ruim ou péssimo

Jose Roberto de Toledo

06 agosto 2015 | 19:26

No dia do programa de TV do PT, o Datafolha revela que a maior parte dos petistas acha o governo Dilma ruim ou péssimo: 40% – contra apenas 32% que avaliam a gestão da companheira de partido como boa ou ótima. Outros 27% a classificam de regular. É a principal novidade da pesquisa, porque há menos de dois meses a opinião dos simpatizantes do PT era inversa: 40% diziam que o governo era ótimo/bom, e 25%, ruim/péssimo. Logo, foram os petistas que ajudaram a puxar Dilma ainda mais para baixo.

Ao mesmo tempo, na média da população, a taxa de ruim e péssimo do governo aumentou de 65% para 71%, segundo o Datafolha. Nesse período, o governo anunciou mais cortes nas áreas social e de infraestrutura, como parte do plano de ajuste das contas públicas. Mas boa parte das medidas foi descaracterizada pelo Congresso e não produziu o efeito positivo esperado e que poderia levar à melhora das expectativas econômicas.

Como resultado, aumentaram o desemprego e o endividamento das pessoas, caiu a renda originada pelo trabalho, sem que houvesse uma mudança de perspectiva que aumentasse o otimismo. Em outras palavras, a impossibilidade de aprovar a nova política econômica no Congresso aprofundou a crise, não recuperou a simpatia de outros segmentos da população e ainda alienou boa parte daqueles poucos que avaliavam positivamente o governo. A nota média do governo entre os simpatizantes do PT é 5 (e 3 no resto).

Ainda mais surpreendente, 1 em cada 3 petistas concorda com a frase apresentada pelo Datafolha na pesquisa segundo a qual “o Congresso deveria abrir um processo de impeachment, isto é, um processo para afastar a presidente Dilma da Presidência”: 35% disseram “sim, deveria”, e 62%, “não deveria” (3% não sabem). Ao responder à questão seguinte, 24% dos simpatizantes do PT disseram acreditar que a presidente vai ser afastada.

A tentativa de agradar esses ex-petistas talvez explique a decisão do partido de veicular um programa na TV que enfatiza a crítica aos opositores e tenta resgatar os períodos em que a popularidade dos governos do PT estava em alta. Isso no mesmo momento em que figuras proeminentes do governo Dilma, como o ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante, e o vice-presidente Michel Temer fazem sinais à oposição em busca de trégua.

Soma-se às novidades negativas para o PT o fato de a preferência pelo partido ter descido abaixo de dois dígitos. É a primeira vez que isso acontece desde que o partido ultrapassou o PMDB na preferência partidária, ainda nos anos 90. Só 9% dos eleitores declararam ao Datafolha ser simpatizantes petistas hoje. Eram 11% em junho, 12% em fevereiro e 22% em dezembro de 2014.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.