1. Usuário
Assine o Estadão
assine
segunda-feira 06/04/15 01:06

A morte da inocência

O assassinato de um menino de dez anos pela Polícia Militar do Rio de Janeiro e a aprovação preliminar pelo Congresso da redução da maioridade penal colocaram, tragicamente, a infância no centro do noticiário. Dois fatos aparentemente desconexos, a centenas de quilômetros um do outro, mas que se complementam para explicitar como o Brasil trata

Ler post
sábado 04/04/15 01:03

A corrupção sem graça

Ministro da Fazenda, Joaquim Levy disse, em inglês, que “no Brasil, a maioria das empresas não gosta de pagar impostos”. E completou: “Nem quer pagar contribuição previdenciária”. Doleiro e cagueta, Alberto Youssef tem opinião sobre o tema: “Neste país, empresário não consegue nada se não tiver lobby”. Delata sua própria experiência. No caso de Levy,

Ler post
segunda-feira 30/03/15 19:30

A base movediça de Dilma

A perda de rumo do governo afetou a bússola dos partidos. Desde o mensalão que as bancadas partidárias na Câmara dos Deputados não mostram tanta falta de coesão interna. Sem o magnetismo do Executivo, os parlamentares perderam seu Norte e vagam a esmo nas votações. Há deputados do mesmo partido com taxas de governismo tão

Ler post
sábado 21/03/15 19:41

De achacados e achacadores

Se o Twitter servisse de termômetro, Cid Gomes teria se saído menos pior aos olhos do público do que Eduardo Cunha, no bate-boca entre o ex-ministro da Educação e o presidente da Câmara dos Deputados. Na mundo real, Cid perdeu o cargo por causa de quem chamou de achacador. No virtual, o peemedebista teve uma

Ler post
segunda-feira 15/12/14 00:10

Poço flamejante

A presidente Dilma Rousseff (PT) sobreviveu à primeira onda oposicionista para tirá-la do cargo ao qual foi reconduzida pelas urnas. A conjugação do seu sobrenome com a palavra impeachment entrou em baixa nas redes sociais e, principalmente, nas buscas via Google. O binômio Bolsonaro-estupro, por exemplo, provocou muito mais interesse dos internautas na semana passada.

Ler post
quinta-feira 23/10/14 21:28

Sem-partido batem recorde após campanha virulenta de 2014

Preferência por partidos políticos (Ibope + Datafolha)

A campanha eleitoral de 2014 chega ao fim com a maior taxa já registrada de brasileiros sem preferência por nenhum partido político. São hoje 73% do eleitorado, a maior proporção desde 1988, quando começa a série histórica do Ibope. Em agosto de 2013, logo após os protestos, 62% não tinham preferência partidária. Desde então, os

Ler post
segunda-feira 23/09/13 01:30

O ódio como política

Nem prós nem contras. Quem mais perde com a prorrogação do julgamento do mensalão são os “muito pelo contrário”. A extensão da disputa moral até 2014 reanima a desgastada polarização PT x PSDB no ano da eleição presidencial. Os candidatos que pretendem mudar a agenda e discutir política ou outra coisa, como Marina Silva e

Ler post