1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Quem Faz

JOSÉ ROBERTO DE TOLEDO é jornalista. Escreve uma coluna semanal sobre política no Estado, coordena o Estadão Dados e é presidente da Abraji (Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo)

terça-feira 25/09/12 20:19

Haddad cresce, mas não na periferia, diz diretora do Ibope

A pesquisa Ibope é um lembrete de que eleição só termina quando acaba. O cenário que parece definitivo hoje é diferente do de ontem. E é normal que seja assim. Uma das poucas coisas que não mudam é o hábito de muitos eleitores escolherem seu candidato apenas nos últimos dias da campanha, aumentando a volatilidade da intenção de voto ao longo do processo. Por isso as tendências são mais importantes do que os números, ao menos até a pesquisa da véspera ...

Ler post
segunda-feira 24/09/12 00:59

Consumismo, mensalão e voto

Captura de Tela 2012-09-24 às 00.58.47

Em 1947, Victor Nunes Leal defendeu a tese que viraria "Coronelismo, enxada e voto", o clássico sobre as relações de poder no Brasil rural. Nesses 65 anos, o país mudou e se tornou 85% urbano. Mas o livro de Nunes Leal continua útil para compreender as eleições municipais de hoje. No prefácio à edição de 2012, o historiador José Murilo de Carvalho sintetiza a obra. Observa que o autor descreveu o coronelismo como um sistema que transcende o mandonismo local: "Tem ...

Ler post
sábado 22/09/12 00:41

Quem são os “diferenciados” da Pnad 2011 do IBGE

Captura de Tela 2012-09-22 às 00.39.37

Viver no Piauí é, essencialmente, morar numa casa. Lá, nada é mais “diferenciado” do que manter residência em edifício: menos de 1% dos piauienses mora em apartamento. Os outros 99% habitam domicílios que, na definição do IBGE, ocupam com exclusividade o terreno onde estão situados, ou têm acesso independente para a rua. Nada de portarias ou escadas comuns.

Um viajante que rodasse todo o Piauí contaria 86 casas para cada apartamento. Se entrevistasse uma amostra representativa do universo piauiense, precisaria conversar com 117 moradores até encontrar um que declarasse viver num apê. No jargão urbanístico, o Piauí é o Estado menos “verticalizado” do Brasil.

Estatisticamente, nada distingue mais o estilo de vida piauiense do que habitar em casas. A renda é 36% menor do que a média do Brasil, os anos de estudo de seus moradores são 24% menos frequentes. Porém, tais diferenças nem se comparam ao descostume local de empilhar gente em edifícios. A taxa de moradores em apartamentos no Piauí é 90% menor do que a brasileira.

Para quem tem a ambição profissional de ser zelador de edifício residencial o Piauí é o último lugar para procurar emprego. Melhor mudar para Brasília. Lá, 23% dos moradores vivem em apartamentos. É uma tradição que vem da fundação da cidade e que se mantém: em nenhum estado tantos vivem tão sobrepostos em tantas camadas de concreto quanto no Distrito Federal.

No começo eram os apartamentos “funcionais” – imóveis do governo cedidos temporariamente a um funcionário, parlamentar ou governante. Mas a moda pegou e Brasília tem até uma painel de elevador “diferenciado”. Para se descer ao térreo não adianta procurar pelo botão “T”. Tem que apertar o “P”, de pilotis.

O Distrito Federal é a unidade mais diferenciada da Federação. O brasiliense tem dois anos a mais de estudo do que o brasileiro médio, ganha o dobro e tem 65% mais chances de ter um computador com acesso à internet em casa. Mas nenhuma dessas estatísticas o diferencia mais do resto país do que morar tão frequentemente em apartamentos: 157% acima da média brasileira.

Mais fácil do que achar um morador de apartamento no Distrito Federal é encontrar um brasiliense que tenha nascido em outro Estado. São 6 chances em 10. Só em Roraima as probabilidades são comparáveis – mas não devem continuar assim por muito tempo. A taxa de imigrantes do ex-território está diminuindo duas vezes mais rápido do que a de Brasília. Em ambos os lugares, chegam menos forasteiros do que nascem nativos.

Difícil mesmo é encontrar um imigrante no Rio Grande do Sul. Eram 4 chances em 100 no começo do século, são 4 em 100 hoje. E se encontrar, a maior probabilidade é de que tenha vindo dali do lado, de Santa Catarina. O Estado que cresceu graças a sucessivas ondas de migrantes italianos e alemães não atrai gente de outros Estados já se vão décadas.

E o que diferencia o paulista? Não é a renda nem a escolaridade. É tampouco a mistura de imigrantes. O que os moradores de São Paulo têm mais que todos os outros brasileiros é celular e telefone fixo em casa: 61% têm os dois aparelhos ao mesmo tempo -herança de quando telefone fixo valia tanto que aparecia até em declaração para o Fisco.

Ler post
quinta-feira 20/09/12 05:07

Corre Haddad, corre

Fernando Haddad (PT) corre contra Celso Russomanno (PRB) e contra o tempo. A cada dia que ele não consegue convencer os simpatizantes petistas da periferia paulistana que é um candidato melhor do que o líder nas pesquisas, mais difícil fica a sua missão de chegar ao segundo turno. Haddad só tem mais duas semanas de campanha pela frente para somar 8 a 10 pontos. Para José Serra (PSDB), ao contrário, quanto mais rápido o ...

Ler post
terça-feira 18/09/12 20:06

Marta é a mais citada por Haddad e Serra em debate

nuvem_tags

José Roberto de Toledo Pedro Rocha A senadora Marta Suplicy (PT) foi a estrela do debate 'Estado'/ YouTube/TV Cultura. Consideradas as falas dos três candidatos que lideram a corrida eleitoral paulistana, Marta recebeu 13 menções: 8 por Fernando Haddad (PT) e 5 por José Serra (PSDB). Celso Russomanno (PRB) não citou Marta, mas, mesmo assim, ninguém foi mais mencionado do que ela. Nem Lula (7 citações), nem Dilma Rousseff (7), nem Geraldo Alckmin (4), nem Gilberto Kassab ...

Ler post
segunda-feira 17/09/12 14:59

Veja o novo ranking dos prefeitos das capitais – Ibope

O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (PSD), continua em 21º lugar no ranking dos prefeitos das capitais feito pelo Ibope. O ranking foi atualizado com as últimas pesquisas de avaliação feitas antes do primeiro turno municipal. Kassab tem saldo negativo de 33%, pois há mais paulistanos que julgam seu governo ruim ou péssimo (50%) do que bom ou ótimo (17%). Escondido por José Serra (PSDB) no final da campanha, Kassab viu sua avaliação piorar na última semana. O prefeito tentou reprisar ...

Ler post
quinta-feira 13/09/12 19:37

Pesquisa Ibope é duplamente boa para Russomanno

Ao mostrar que a liderança de Celso Russomanno (PRB) segue inabalada, a pesquisa Ibope reforça a percepção entre tucanos e petistas de que só lhes resta brigar entre si pela outra vaga no segundo turno. Ou seja, valida a tática que as campanhas de José Serra (PSDB) e Fernando Haddad (PT) já haviam adotado esta semana: atacar um ao outro. É mais um motivo para Russomanno comemorar, pois renova os motivos que o levaram aonde está. Após dobrar de intenção de ...

Ler post
domingo 09/09/12 22:32

Fenômeno não é acidente

A ascensão de Celso Russomanno (PRB) na corrida municipal em São Paulo é um fenômeno, mas não é um acidente. Não tem causa única, nem motivo principal. É uma conjunção de fatores. Vão de sua origem malufista até a ajuda dos adversários, passando por religião, consumismo e desejo de mudança. Tudo misturado no momento certo deu em Russomanno. Ele é um fenômeno (por ora) porque, pelo retrospecto, teria uma chance em 93 de chegar ao segundo turno. Em 2008, nas eleições ...

Ler post