1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Quem Faz

JOSÉ ROBERTO DE TOLEDO é jornalista. Escreve uma coluna semanal sobre política no Estado, coordena o Estadão Dados e é presidente da Abraji (Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo)

quinta-feira 27/05/10 20:35

A briga de Serra e Dilma pelos 20% que dão nota 8 ao governo

Screen shot 2010-05-27 at 20.35.00

Os gráficos a seguir mostram como se dividem os eleitores segundo a avaliação que fazem do governo Lula, e sua intenção de voto. Todos os dados foram extraídos da mais recente pesquisa Datafolha. Screen shot 2010-05-27 at 20.26.31 A disputa é pelos 20% que dão nota 8 ao governo Lula. Serra e Dilma estão tecnicamente empatados nesse segmento: 39% a 37%. Mas em março a vantagem era do tucano: 36% a 31%, com ...

Ler post
quinta-feira 27/05/10 19:40

Desistência de Aécio abre buraco em chapa tucana

Foto: Dida Sampaio/AE

Aécio Neves tem motivos mineiros para não aceitar ser vice na chapa presidencial de José Serra (PSDB). Ele precisa reforçar a campanha no seu estado para tentar eleger o sucessor em Minas Gerais. Seu candidato, Antonio Anastasia, tem apenas um terço dos votos de Hélio Costa (PMDB), o favorito até aqui nas pesquisas. Mineiridades à parte, a recusa do ex-governador em ser vice de Serra abre um buraco na chapa tucana. É o tipo de alento que a campanha do PSDB ...

Ler post
sábado 22/05/10 18:00

Na média das pesquisas, Serra e Dilma empatam e se espelham

clique na imagem para ampliar

A inclusão da sondagem Datafolha na média móvel das pesquisas calculada pelo Estado levou ao empate entre Dilma Rousseff (PT) e José Serra (PSDB). A diferença entre eles, agora, é de menos de 1 ponto percentual pró-Dilma, o que não caracteriza vantagem. Mas o gráfico mostra que a petista está em ascensão, e o tucano, em queda.

As curvas dos dois principais rivais parecem espelhadas, refletindo a migração de eleitores entre Serra e Dilma. O voto que um perde, o outro ganha. É uma polarização que antecipa o 2º turno. Hoje, entretanto, nenhum deles têm cacife para decidir a eleição em 3 de outubro.

clique na imagem para ampliar

clique na imagem para ampliar

Um dos motivos que projetam, por enquanto, a necessidade de dois turnos é que a intenção de voto de Marina Silva (PV), embora estagnada, mantém-se firme na faixa dos 10%. À ela se somam dois pontos percentuais dos presidenciáveis chamados nanicos.

Mantidos os percentuais de intenção de voto de Marina e dos candidatos dos pequenos partidos, Serra ou Dilma precisariam “roubar” de 6 a 7 pontos percentuais do outro para liquidar a eleição de uma vez. Não é uma missão impossível, embora difícil.

A média móvel calculada pelo Estado leva em conta as três pesquisas de intenção de voto mais recentemente divulgadas. No caso, foram consideradas as sondagens do Vox Populi, do Sensus e do Datafolha.

As três pesquisas foram feitas após as inserções do PT no rádio e na TV que tiveram Dilma como principal atração. O crescimento da petista reflete o êxito da propaganda em associá-la a Lula.

Ler post
sábado 22/05/10 13:14

Datafolha ratifica alta de Dilma e acende luz amarela para Serra

Screen shot 2010-05-22 at 13.35.19

Ao ratificar o empate de Dilma Rousseff (PT) com José Serra (PSDB), a pesquisa Datafolha confirma que a propaganda petista no rádio e na TV foi eficiente para associar sua pré-candidata a Lula. Mas as repercussões vão além disso. As inserções de 30 segundos e o programa de 10 minutos do PT conseguiram projetar uma imagem aceitável de Dilma para mais eleitores, ampliando seu eleitorado potencial. Fizeram sua taxa de rejeição cair de 24% para 20%. E elevaram seu percentual na ...

Ler post
segunda-feira 17/05/10 23:05

Na média das pesquisas, Dilma tende a se igualar a Serra

Screen shot 2010-05-17 at 23.05.36

(texto publicado na edição impressa de O Estado de S.Paulo) Na média móvel das pesquisas de intenção de voto as curvas de José Serra (PSDB) e Dilma Rousseff (PT) tendem a se encontrar após a inclusão das sondagens de Vox Populi e Sensus. Ambas as pesquisas apontaram empate técnico entre os pré-candidatos a presidente tucano e petista. A diferença média entre os dois primeiros colocados caiu de 7 pontos em meados de abril para 2 pontos agora. Em abril, as pesquisas Ibope ...

Ler post
segunda-feira 17/05/10 20:43

Pesquisas favoráveis ajudam campanhas a arrecadar mais

(texto publicado na edição impressa de O Estado de S.Paulo) Apesar de a sucessão presidencial ainda não ter chegado às ruas, a polêmica sobre as pesquisas de opinião são o prato de resistência na blogosfera. Os partidários de um e outro candidatos tendem a valorizar as sondagens que beneficiam seus preferidos e a atacar as que os apontam em pior situação. Independentemente da precisão das pesquisas, a sua divulgação nos meios de comunicação e reprodução pela internet criam um fato concreto que ...

Ler post