‘Vocês querem destruir índios’, disse o cacique a Eduardo Cunha
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

‘Vocês querem destruir índios’, disse o cacique a Eduardo Cunha

Porta-voz do dos kayapós disse que índios estão preocupados com o retorno da PEC 215, que pode levar à paralisação da demarcação de terras indígenas no País

Roldão Arruda

04 Fevereiro 2015 | 20h50

No encontro que manteve com o novo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), nesta quarta-feira, 4, em Brasília, o cacique kayapó Nhaket Mekrangnotire disse que os índios brasileiros estão se sentindo profundamente ameaçados. Ele se referia à Proposta de Emenda Constitucional 215 (PEC-215), que, após ter sido arquivada, deve voltar à pauta na Câmara.

O objetivo principal da emenda é transferir do Executivo para o Legislativo decisões sobre demarcações de terras indígenas. Os índios temem que, com a crescente força da bancada ruralista no Congresso, dificilmente acontecerão novas demarcações no País.

4cunha

Com a ajuda de um intérprete de sua tribo, que vive na região de Novo Progresso, no interior do Pará, o cacique Nhaket disse ao presidente da Câmara, que os políticos deveriam ficar ao lado de toda a população, incluindo as populações negras do interior e os índios. Mas, na avaliação dele, não é isso o que ocorre: “Vocês querem destruir o povo do interior, querem destruir índios.”

O cacique também disse: “Podem até conseguir acabar com a gente. Mas vai ter muito sangue derramado. Estamos aqui para pedir: não vote essa PEC.”

Nhaket chegou a Brasília na segunda-feira, à frente de um grupo de 54 indígenas, com o objetivo de conversar com autoridades do Executivo e do Legislativo. Na terça-feira, após a intermediação de um grupo de parlamentares, entre os quais Chico Alencar (PSOL-RJ) e Zequinha Sarney (PV-MA), o presidente da Câmara aceitou receber cinco representantes do grupo.

4kayapós2

Durante a reunião, no gabinete de Cunha, acompanhada por quatro deputados, mas sem a presença de assessores, os índios manifestaram preocupação com o fato de o novo presidente da Câmara já ter se reunido com a bancada ruralista e manifestado apoio à aprovação da PEC 215.

“Não somos nós que estamos caçando briga com vocês. É vocês com nós. Sabemos que o senhor já fez um acordo para a aprovar a PEC”, disse Nhaket.

O presidente da Câmara negou que tenha feito qualquer acordo com os ruralistas. Também disse que não é o autor da PEC, nem da proposta de desarquivamento e que recebe os mais diferentes grupos. Mas, caso a proposta seja mesmo desarquivada, declarou, ele seguirá as normas da Casa, retomando os debates no ponto em que foram paralisados. “Não tenho outra saída”, afirmou.

Para os índios, os parlamentares estariam quebrando os acordos firmados com a Constituição de 1988 – que tem um capítulo específico sobre a questão indígena. “O cacique, com uma linguagem muito franca e direta, incomum aqui em Brasília, disse que os índios vêem a PEC 215 como uma declaração de guerra”, contou o deputado Chico Alencar, que acompanhou o encontro.