Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Política

Politica » Marina apoia principais reivindicações dos gays

Política

Marina apoia principais reivindicações dos gays

Politica

GAYS

Marina apoia principais reivindicações dos gays

Programa de governo da candidata do PSB prevê adoção de crianças por casais de pessoas do mesmo sexo e distribuição de material educativo contra homofobia nas escolas

Roldão Arruda

29 Agosto 2014 | 17h57

O programa que a candidata Marina Silva (PSB) acaba de divulgar vai surpreender tanto os gays quanto a banda evangélica de seu eleitorado. Uma a uma, a ex-ministra encampa as principais reivindicações dos movimentos LGBT do País. Entre elas a adoção de crianças por casais de pessoas do mesmo sexo e a distribuição de material educativo contra a homofobia na escolas públicas. Em 2011 uma iniciativa semelhante foi barrada pela presidente Dilma Rousseff.

No capítulo 6 do programa, Marina promete apoiar no Congresso “propostas em defesa do casamento civil igualitário, com vistas à aprovação dos projetos de lei e da emenda constitucional em tramitação, que garantem o direito ao casamento igualitário na Constituição e no Código Civil”.

O direito ao casamento entre pessoas do mesmo sexo já é legalmente garantido, por meio de resolução do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e também pela decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), que conferiu a essas uniões o status de entidade familiar. Até hoje, porém, o Congresso se recusa a discutir qualquer proposta de lei sobre o assunto.

Marcio Fernandes/Estadão

Marcio Fernandes/Estadão

Os gays criticam o governo Dilma por nunca ter se empenhado de maneira efetiva na aprovação de uma lei nessa direção, para evitar atritos com a bancada evangélica.

Marina também promete “articular no Legislativo a votação do PLC 122/06, que equipara a discriminação baseada na orientação sexual e na identidade de gênero àquelas já previstas em lei para quem  discrimina em razão de cor, etnia, nacionalidade e religião”.

Todas as tentativas de aprovação dessa lei foram barradas até pela bancada evangélica, que vê nela o risco de pastores sofrerem sanções legais por pregarem contra a homossexualidade.

O programa da candidata do PSB ainda se compromete com a aprovação do Projeto de Lei da Identidade de Gênero Brasileira − conhecida como Lei João W. Nery −, que regulamenta o direito ao reconhecimento da identidade de gênero das “pessoas trans”.

Segundo programa, travestis e transexuais devem ser identificadas “com base no modo como se sentem e se veem, dispensando a morosa autorização judicial, os laudos médicos e psicológicos, as cirurgias e as hormonioterapias”.

O principal defensor dessa lei no Congresso é o deputado carioca Jean Wyllys, filiado ao PSOL. Candidato à reeleição ele tem sido alvo frequente de ataques em pregações de pastores evangélicos.

Em relação à adoção de crianças por casais de pessoas do mesmo sexo, o programa promete agir para “eliminar obstáculos” .

O programa de Marina ainda manda um recado para a campanha da presidente Dilma Rousseff, que, por pressão de apoiadores evangélicos, proibiu a circulação de material educativo sobre gênero e identidade sexual nas escolas. Alguns parlamentares mais conservadores chamaram o material de kit gay.

Marina agora promete  “incluir o combate ao bullying, à homofobia e ao preconceito no Plano Nacional de Educação, desenvolvendo material didático destinado a conscientizar sobre a diversidade de orientação sexual e às novas formas de família”.

Mais conteúdo sobre: