1. Usuário
Assine o Estadão
assine


Internet garantiu 3º lugar de Marina nas eleições, diz consultor

Lilian Venturini

14 abril 2011 | 12:51

Roldão Arruda, de O Estado de S. Paulo

A internet teve um papel estratégico na conquista dos 19,6 milhões de votos pela candidata Marina Silva (PV) nas eleições presidenciais do ano passado. É o que afirma o jornalista e consultor em novas mídias Caio Túlio Costa, em artigo que sai publicado nesta quinta-feira, 14, na revista trimestral Interesse Nacional. Na avaliação dele, é possível dizer, com alguma margem de segurança, que sem a internet a ex-senadora acreana, praticamente desconhecida do grande eleitorado no início da campanha,  não teria chegado ao final em terceiro lugar, com 19,3% dos votos.

Na primeira análise consolidada que se divulga sobre o tema, Costa, que é doutorado em ciências da comunicação e atuou como coordenador da área de mídia digital da campanha de Marina,  apresenta  números que impressionam. Entre outras coisas, informa que a mensagem da candidata verde pode ter chegado, de forma direta ou indireta, a 12,5 milhões de internautas; que, no pico da campanha, ela foi seguida no Twitter por 873.033 pessoas; e que um dos saldos mais notáveis da utilização de ferramentas virtuais foi um banco de dados com 1.008.723 endereços, passíveis de serem alcançados a qualquer momento por mensagens de Marina.

Ainda é difícil – e o autor reconhece isso em mais de uma passagem do texto – tentar estabelecer relações diretas entre o uso de novas mídias eleitorais e o resultado das urnas. Não deixa de chamar a atenção, no entanto, o perfeito casamento dos locais onde Marina obteve maior votação com  aqueles em que o seu site na internet foi mais acessado. Em outras palavras, quanto maior a audiência, maior foi a votação.

Costa observa que 60% dos votos de Marina estiveram concentrados em 100 cidades. “Praticamente todas fazem parte das 100 cidades com maior audiência na internet”, assinala.

As comparações que ele faz entre o número de seguidores de Marina e da sua oponente Dilma Rousseff (PT) pelo Twitter são mais temerárias. O fato de a ex-senadora ter maior audiência que a candidata petista nesse microblog pode significar apenas que seus simpatizantes são mais elitizados, com maior acesso a ferramentas virtuais.

Na conclusão, o coordenador da mídia digital da campanha verde arrisca: “Enfim, é impossível resistir a uma frase final carregadas de desejos impossíveis apenas por enquanto: se a eleição fosse via internet, Marina Silva teria vencido no primeiro turno.”

Leia mais notícias de política