Uma na foice, outra no martelo
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Uma na foice, outra no martelo

Jungmann demitiu falastrão Segovia e, em seguida, mostrou que ninguém está infenso da chance de falar bobagem

José Nêumanne

28 Fevereiro 2018 | 12h24

Antes da posse de Jungmann no Ministério da Segurança, Segovia riu a bandeiras despregadas. Mas depois… (Foto: André Dusek/Estadão

No primeiro dia no Ministério da Segurança Pública, Raul Jungmann tomou uma atitude correta e falou uma imensa besteira. Seu primeiro ato administrativo foi demitir o desastrado-geral da Polícia Federal, o notório Fernando “Por què no te callas?” Segovia, que já estava proibido de continuar dizendo asneiras pelo relator dos inquéritos em que Temer é acusado, ministro do STF Luis Roberto Barroso, e p.ela responsável pela auditoria da polícia, Raquel Dodge, procuradora-geral da República. Mas no discurso de posse pisou feio na bola detratando a classe média, ao estilo Marilena Chauí, atribuindo-lhe a contradição de pedir segurança de dia e financiar o tráfico de entorpecentes depois que a noite cai.

(Comentário no Jornal Eldorado da Rádio Eldorado – FM 107,3 – na quarta-feira 28 de fevereiro de 2018, às 7h30m)

Para ouvir clique aqui e, em seguida, no play

Para ouvir Buraco de tatu, com Luiz Gonzaga, clique aqui

 

 

Abaixo, roteiro dos assuntos do comentário:

Eldorado 28 de fevereiro de 2018

1 Haisem Ao assumir Ministério da Segurança Pública, Raul Jungmann demitiu Segovia da direção-geral da Polícia Federal e nomeia Rogério Galloro para o lugar

SONORA_SEGOVIA POSSE

2 – Carolina Logo ao assumir o Ministério da Segurança Pública, Raul Jungmann disse que a classe média pede segurança durante o dia e sustenta o tráfego comprando drogas à noite.

3 – Haisem Interventor há 12 dias da segurança do Rio, general Braga Netto preferiu por ordem na coletiva da imprensa a anunciar medidas práticas para conter a violência.

SONORA_BRAGA NETTO

4 – Carolina Temer nomeia general Joaquim Silva Luna ministro da Defesa no lugar de Luna

Editorial Retrocesso institucional

A história demonstra que o descuido nessas áreas cobra um alto preço. Assim, é mais que oportuno que o governo federal, que já tem diante de si enormes desafios, não invente novos problemas por força de suas próprias decisões. Com a urgência que o tema requer, o presidente Michel Temer deve nomear um civil para o Ministério da Defesa, acabando com a interinidade do general Joaquim Silva e Luna.

  1. Haisem Fernando Henrique diz no Forum A Reconstrução do Brasil do Estadão que governos fracos nomeiam militares

6 – Carolina Nelson Jobim, Eros Grau e Joaquim Falcão dizem que culpa pelas permanentes crises institucionais decorre dos excessos da Constituição.

7 – Haisem Procuradora-geral da República Raquel Dodge pede ao STF que autorize a investigar Temer em suposta propina da Odebrecht a Padilha e Moreira Franco

8 – Carolina Câmara abre processo por quebra de decoro contra Maluf, Lúcio Vieira Lima, Celso Jacob e João Rodrigues

SONORA Buraco de tatu Luiz Gonzaga

https://www.youtube.com/watch?v=V-czxPsnAdA  Começar do começo