Rápido e grosseiro
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Rápido e grosseiro

Jungman agiu com rapidez ao demitir desastrado-geral da PF, mas foi grosseiro com classe média no discurso de posse

José Nêumanne

28 Fevereiro 2018 | 12h57

Jungmann foi ágil e certeiro ao demitir falastrão, mas errou feio maldizendo a classe média. Foto: Eraldo Peres)/AFP

Meu Direto ao Assunto abriu o Podcast Comentaristas do Jornal Eldorado da Rádio Eldorado – FM 107,3 – na quarta-feira 28 de fevereiro de 2018 comentando a demissão do boquirroto desastrado-geral da Polícia Federal, Fernando “Por què no te callas?” Segovia – pelo ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann; o discurso preconceituoso e grosseiro do mesmo titular da nova pasta; a primeira atitude do interventor militar na segurança do Rio, que começou disciplinando a imprensa na coletiva; a nomeação por Temer do general Joaquim Silva Luna como ministro da Defesa no lugar de Jungmann; Fernando Henrique dizendo no Forum A Reconstrução do Brasil do Estadão que governos fracos nomeiam militares; Nelson Jobim, Eros Grau e Joaquim Falcão culpando os excessos da Constituição vigente pelas frequentes crises institucionais no País; a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, pedindo ao STF que autorize a investigar Temer em suposta propina da Odebrecht paga a Padilha e Moreira Franco; e a Câmara dos Deputados abrindo processo por quebra de decoro contra Maluf, Lúcio Vieira Lima, Celso Jacob e João Rodrigues. Alexandre Garcia abordou Galloro no lugar de Segovia na PF; irmão de André Vargas recolhido para cumprir pena; e Rodrigo Maia reconhecendo que é preciso mudar leis penais. Eliane Cantanhêde falou de Jungmann entrando forte na Segurança, com carta branca pra fazer e desfazer; de Segovia, o breve, entrando fraco e caindo fora, sem apoio da corporação, e além de tudo um estabanado; de Galloro, que é de elite e construiu um consenso em torno do nome dele, dentro e fora da P; de Dodge incluindo Temer no inquérito Odebrecht-MDB; do anúncio do índice de empregos pelo IBGE deixando o governo inteiro de vela na mão, rezando; e de Rodrigo Maia reconhecendo que é preciso mudar leis penais. Em Direto da Fonte, Sonia Racy destacou Raul Jungmann demitindo Segovia do comando da PF;

Para ouvir clique aqui