Quase no limite…
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Quase no limite…

Senado dá a Temer condições de fazer reajuste, e Oposição é insignificante demais para resistir

José Nêumanne

14 Dezembro 2016 | 08h57

Renan chega ao Senado para presidir vitória do governo na PEC do Teto - Foto:André Dusek/Estadão

Renan chega ao Senado para presidir vitória do governo por 53 a 16 na PEC do Teto – Foto:André Dusek/Estadão

Vitória do governo no segundo turno da MP55 no Senado, fixando um teto para gastos públicos, por 53 a 16, revela, aritmeticamente, algumas realidades da “governabilidade” à brasileira. A primeira delas é que a vantagem de quatro votos – metade dos oito no primeiro turno – estreitou a margem, mas continua dando, precariamente, ao Executivo o poder de reformar a Constituição para fazer o que precisa para dar o start para a recuperação da economia da crise total em que o País está imerso. A segunda é que o descompasso entre Congresso e população (segundo Datafolha com 51% de reprovação a Temer e 63% exigindo renúncia do presidente e realização de eleições diretas para sucedê-lo) mantém o status quo em risco, mas ainda de pé. E, sobretudo, que a oposição, que ganhou dois votos, é pífia e insignificante.

(Comentário no Direto da Redação 3 da Rádio Estadão – FM 92,9 – na terça-feira 13 de dezembro de 2016, às 17h32m)

Para ouvir clique no link abaixo e, aberto o site da emissora, 2 vezes no play sob o anúncio em azul