Previdência é tabu
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Previdência é tabu

Nenhum dos presidenciáveis topa definir própria posição sobre como acabar com rombo da Previdência e, em consequência, salvar contas públicas no futuro governo com medo de perder votos

José Nêumanne

14 Maio 2018 | 18h29

Ciro e Bolsonaro fogem de falar de Previdência para não perderem votos. Fotos: Ricardo Moraes e Nacho Doce/Reuters

A cinco meses da eleição, nenhum dos pretendentes ao cargo mais poderoso do País deu a própria opinião a respeito do que fazer com o rombo provocado pelo financiamento da Previdência, o mais grave dos piores problemas das contas públicas no Brasil. Para ilustrar de forma mais dramática o atual deserto de espírito público e programas de governo dos candidatos à Presidência da República, não há nada que seja mais dramático, porque eles fazem isso por reconhecerem a forma alienada e descabida com que o próprio eleitorado despreza o problema, agindo com total irresponsabilidade, como se pouquíssimos cidadãos fossem capazes de entender que nenhum presidente a ser eleito poderá auferir de uma vitória eleitoral inspiração para resolvê-lo.

(Comentário no Jornal Eldorado da Rádio Eldorado da segunda-feira 14 de maio de 2018, às 7h30m)

Para ouvir clique aqui e, em seguida, no play

Para ouvir Não fui eu, com Paula Fernandes, clique aqui

 

 

Assuntos do comentário da segunda-feira 14 de maio de 2018

1 – Haisem O jornal O Globo fez um levantamento e concluiu que nenhum dos pré-candidatos à Presidência, a cinco meses do pleito, trouxe ao debate político e de gestão uma ideia que fosse sobre como enfrentar o rombo da Previdência. Será que este não é importante no desastre que se anuncia sobre nossas contas públicas?

 

2 – Carolina A advogada Rosa Cardoso, ex-coordenadora da Comissão Nacional da Verdade (CNV) tem razão ao denunciar a falta de cooperação dos americanos nas investigações sobre os crimes cometidos contra os direitos humanos no período da ditadura militar?

 

3 – Haisem No meio da fumaceira causada pela revelação de que Geisel autorizou continuar a política de execuções de “subversivos perigosos”, pela qual encarregou Figueiredo, a única declaração oficial partiu do ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, segundo quem a polêmica não abala o prestígio do Exército. A seu ver, esta afirmação é correta e é suficiente?

 

4 – Carolina O ministro do STF Gilmar Mendes teve razão em sua decisão de mandar soltar o executivo da Dersa Paulo Vieira de Souza, vulgo Paulo Preto, cujas eventuais delações premiadas poderiam prejudicar membros do alto tucanato em São Paulo?

 

5 – Haisem Por que a juíza Débora Faltarona, da 1.ª Vara do Júri de São Paulo, mandou prender o ex-vereador Maninho do PT e seu filho pela agressão a um manifestante adversário antipetista defronte o Instituto Lula em São Paulo?

 

6 – Carolina Como você vê o fato de que, ao completar o segundo ano no governo, o presidente Temer tem os piores índices de popularidade ao menos desde a redemocratização, mas não sofre mais ameaças de vir a ter autorizado mais um inquérito sobre eventuais delitos de que é acusado durante o exercício da presidência?

 

7 – Haisem O Globo publicou em manchete no sábado que o ex-PM Orlando da Curicica está negociando delação premiada sobre a morte da ex-vereadora Marielle Franco, do PSOL, e do motorista Anderson Gomes. Será que agora a investigação da polícia do Rio vai chegar a alguma prova que a permita apontar mandantes e executantes da execução?

SONORA_GRAVACAO VEREADOR 01

 

8 – Carolina Treze dias depois do incêndio e do desabamento do Edifício Wilton Paes de Almeida, foram encerradas as buscas de vítimas. E também nenhuma autoridade adotou as providências necessárias para evitar que novas tragédias como aquela se repitam. Não é por que isso sempre se repete, hein?

 

SONORA Paula Fernandes, Não fui eu

https://www.youtube.com/watch?v=-DZxdR2FB00