O conto do recibo
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

O conto do recibo

Defesa de Lula quer enganar trouxa com recibos suspeitos: isolados, nada provam

José Nêumanne

29 Setembro 2017 | 11h05

Pretenso senhorio do apartamento vizinho ao de Lula, à vontade no depoimento de 06/09 a Moro – Foto: MPF

O episódio dos recibos de aluguel do apartamento de Lula em São Bernardo é grotesco do ponto de vista da lógica, mas a defesa está jogando claramente na hipótese de que pode usá-lo para convencer os militantes de que Lula está sendo perseguido pela Justiça. Lembra-se daquele programa Acredite se quiser? Pois é. Repito que recibos não provam transações negociais. Precisam ser confirmados pela documentação da transação bancária pelo Banco Central. A defesa tergiversa quando diz que a assinatura de Glaucos não foi contestada. Não foi mesmo. Nem será. Tem que ser periciado é se o papel e a tinta da caneta são os mesmos e se os recibos foram assinados no mesmo dia, como alega Costamarques. O resto é o lorotário de sempre para engabelar a patuleia.

(Comentário no Jornal Eldorado da Rádio Eldorado – FM 107,3 – na sexta-feira 29 de setembro de 2017, às 7h30m)

Para ouvir clique aqui e, em seguida, no play

Para ouvir Apareceu a Margarida, com Roupa Nova, clique aqui

Abaixo, a íntegra da degravação do comentário:

Eldorado, 29 de setembro de 2017, Sexta´feira

SONORA RECIBOS 2909 A GLAUCOS

SONORA CÂMARA 2909 A PACHECO

SONORA Apareceu a Margarida, Roupa Nova

https://www.youtube.com/watch?v=-s907J8MAnk – Começar no 2:55

Quais são as novidades mais recentes sobre o cabeludo episódio dos recibos de aluguel que a defesa de Lula apresentou à Justiça oara tentar provar que apartamento vizinho ao de Lula em São Bernardo não foi pago com propina da Odebrecht?

A defesa de Glaucos da Costamarques, primo de Bumlai, o amigo de Lula que circulava livremente pelo Palácio do Planalto, pediu ao juiz federal Sérgio Moro que intime o hospital Sírio Libanês para que entregue registros de visitas do advogado do ex-presidente Lula, Roberto Teixeira, e do contador João Muniz Leite. Primo de José Carlos Bumlai, amigo de Lula, Glaucos é apontado como ‘laranja’ do petista no suposto recebimento de imóveis pela Odebrecht como forma de propinas.

Para a força-tarefa da Lava Jato, a Odebrecht custeou a compra do apartamento, em nome de Glaucos da Costamarques, primo do pecuarista José Carlos Bumlai, amigo do ex-presidente. Na mesma ação, ele responde por também ter supostamente recebido da empreiteira terreno onde seria sediado o Instituto Lula, no valor de 12,5 milhões de reais.

SONORA RECIBOS 2909 A GLAUCOS

A denúncia da Procuradoria da República sobre o apartamento 121, no edifício Hill House -vizinho à residência de Lula, em São Bernardo do Campo – ainda aponta que propinas pagas pela Odebrecht, no esquema que seria liderado pelo ex-presidente, chegaram a  75 milhões de reais em oito contratos com a Petrobrás.

A Lava Jato afirma que não houve pagamento de aluguel entre fevereiro de 2011 e pelo menos novembro de 2015. Nesta segunda-feira, 25, a defesa do ex-presidente apresentou documentos que contestam a versão dos procuradores.

E qual é a versão que os advogados de Glauco estão contando?

Em petição ao juiz federal Sérgio Moro, a defesa de Glaucos reiterou o que ele já havia dito em seu interrogatório no último dia 6. Ele disse ter sido procurado por José Carlos Bumlai ‘no sentido de adquirir um imóvel em um edifício em São Bernardo do Campo – SP, em seu nome, uma vez que não contava com recursos necessários para fazê-lo pessoalmente’. “Como razão primordial, informou a Glaucos que precisava atender a um pedido da Sra. Marisa Letícia Lula da Silva, preocupada com o fato de alguém poder interessar-se pelo imóvel, que era localizado no mesmo andar, e em frente, ao apartamento que servia de residência ao ex-presidente e sua esposa, cuja privacidade poderia ser comprometida”

“Esclareceu, ainda, que Glaucos deveria procurar ao Dr. Roberto Teixeira, que trataria da documentação necessária relativamente à aquisição do imóvel e do contrato de locação”, diz a defesa.

A defesa de Glaucos ainda diz que ‘o primeiro aluguel efetivamente recebido, ocorreu em novembro de 2015; tendo, após, recebido todos os alugueres até atualmente, excetuando-se, ao que se recorda, o aluguel referente a fevereiro de 2017, possivelmente em razão do falecimento da Sra. Marisa Letícia Lula da Silva’.

“O pagamento de alugueres, esclareça-se, só começou a ocorrer após visita do Dr. Roberto Teixeira ao defendente, quando este estava internado no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, onde Glaucos era submetido a intervenção cardiovascular. Foi nesta visita que o referido advogado informou-o de que os alugueres passariam a ser pagos regularmente”, sustentam os advogados.

A defesa de Glaucos volta a reiterar que, no dia seguinte à visita de Roberto Teixeira, ele recebeu a visita do ‘contador João M. Leite, que foi colher as assinaturas nos recibos, referentes ao ano de 2015’.

O advogado Cristiano Zanin Martins, defensor de Lula, declarou que “a responsabilidade sobre os documentos, e sobre a veracidade do que eles atestam, é da pessoa que os assinou. Não há questionamento sobre as assinaturas. A tentativa de transformar os recibos no foco principal da ação é uma clara demonstração de que nem o Ministério Público nem o juízo encontraram qualquer materialidade para sustentar as descabidas acusações formuladas contra Lula em relação aos contratos da Petrobrás.”

O episódio dos recibos de aluguel é grotesco do ponto de vista da lógica, mas a defesa está jogando claramente na hipótese de que pode usá-lo para convencer os militantes de que Lula está sendo perseguido pela Justiça. Lembra-se daquele programa Acredite se quiser? Pois é.

Repito que recibos não provam transações negociais. Precisam ser confirmados pela documentação da transação bancária pelo Banco Central. O advogadinho da brilhantina tergiversa quando diz que a assinatura de Glaucos não foi contestada. Não foi mesmo. Nem será. O que está sendo contestado é o pagamento do aluguel e a versão do primo de Bumlai atesta a validade da assinatura. O que precisa ser periciado é se, de fato, como alega a defesa do empresário apontado como senhorio, o papel é o mesmo, a tinta da caneta é a mesma e se é possível constatar tecnicamente se os recibos foram todos assinados no mesmo dia, como alega Costamarques. O resto é o lorotário de sempre.

O presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, Rodrigo Pacheco (PMDB-MG), escolheu um aliado do senador Aécio Neves (PSDB-MG), o tucano Bonifácio de Andrada (MG), para relatar a denúncia contra o presidente Michel Temer e seus ministros Moreira Franco (Secretaria-Geral) e Eliseu Padilha (Casa Civil). Por que essa escolha reabriu a crise no PSDB? 

Não tenha dúvidas. Pacheco ignorou os apelos do líder do PSDB, Ricardo Trípoli (SP), para que, desta vez, não escolhesse um tucano para a missão. Na primeira denúncia, o relatório que livrou o presidente foi produzido pelo deputado Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG) e a bancada ficou dividida no plenário. Dos 47 deputados, 22 foram contra o prosseguimento da denúncia, 21 a favor e quatro se ausentaram.

Nos bastidores, parlamentares avaliam que a indicação de Bonifácio faz parte de uma operação casada para salvar o mandato de Aécio e segurar a nova denúncia. O parlamentar mineiro, que pertence à família do patriarca da Independência, José Bonifácio de Andrada e Silva, foi um dos deputados que ajudaram a segurar a primeira denúncia contra Temer por corrupção passiva, rejeitada em agosto pela Câmara dos Deputados

SONORA CAMARA 2909 A PACHECOR$ 12,5 milhões

Sabe aquela sensação de déjà vu, que pode ser traduzida por já vi esse filme. É esta impressão que dá essas denúncias de Janot contra Temer.

A Polícia Federal indiciou ontem dois filhos do senador Romero Jucá (PMDB/RR), líder do Governo no Senado, na Operação Anel de Giges. Quer dizer que a Lava Jato agora está virando um caso de família?

Segundo a PF, o ex-deputado estadual Rodrigo de Holanda Menezes Jucá e sua irmã Marina de Holanda Menezes Jucá foram indiciados pelos crimes de peculato, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

Anel de Giges investiga suposto desvio de  32 milhões de reais por meio do superfaturamento na aquisição da Fazenda Recreio, localizada em Boa Vista e na construção do empreendimento Vila Jardim, do projeto Minha Casa Minha Vida no bairro Cidade Satélite, na capital de Roraima.

A PF informou que as penas previstas para os crimes atribuídos aos filhos de Jucá chegam até 30 anos de reclusão – em caso de condenação. “As investigações continuam, com análise do material apreendido e apuração do envolvimento de outros integrantes nas práticas criminosas”, destacou o delegado Alan Robson.

Também são investigadas duas enteadas de Jucá, filhas da prefeita de Boa Vista, Teresa Surita (PMDB), Luciana Surita da Motta Macedo e Ana Paula Surita Motta Macedo. Elas e os filhos de Jucá foram conduzidos coercitivamente pela PF, por ordem da Justriça Federal.

E o que andam reportando os jornais sobre a saga da maracutaia da Oi, que, pelo que tudo indica, ainda não está longe dofim?

Materia do Estadão de ontem, de André Borges diz que a Anatel vai poder trocar multas às operadoras por investimentos. Essa decisão foi do TCU. Escândalo total. Essa multa/dívida é direito da União, que ao não cobrar da Oi, vai cobrar de todos nós. São R$ 20 bilhoes.Mas nao é tudo ainda, tem mais. A Oi pede adiamento de assembleia de credores, segundo matéria do Estadão de Circe Bonatelli, Mariana Durão e Anne Warth. O objetivo  desse adiamento, ganhar tempo para pacificar divergência sobre a dívida com Anatel e pendências com credores externos”

Querem mais, a Anatel adia a pena contra a Oi diante da briga entre os acionistas e conselho, segundo matéria do Valor Econômico. Diz a matéria que houve desentendimentos na reunião de conselho da Oi, porque o empresário Nelson Tanure quer usar os recursos de caixa da Oi para pagar credores, evitando a diluição dos acionistas.

Já o jornalista Lauro Jardim, do Globo, reporta que a reunião do Conselho da Oi não foi nada tranquila e que a proposta de Nelson Tanure para um novo plano de recuperação judicial não tem o consenso dos conselheiros.

E que no meio da reunião, um dos representantes de Tanure, Hélio Costa, sugeriu até pedir apoio ao Michel Temer.

E apareceu a Margarida, Michel Temer, o político mais impopular do Brasil, que não dá nada de graça.

Resumo dessa opera, os acionistas estão dilapidando a companhia, Kassab, Quadros e a Anatel assistindo, desprotegendo o consumidor, e nós vamos pagar a multa da Oi, via impostos ou qualquer coisa mais.

SONORA Apareceu a Margarida, Roupa Nova

https://www.youtube.com/watch?v=-s907J8MAnk