Memória fraca
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Memória fraca

Para justificar seus passos em falso, Temer apela para memória fraca ao recontar fatos

José Nêumanne

12 Janeiro 2018 | 13h47

Temer troca a verdade dos fatos pela versão que lhe interessa quando faz história. Foto: André Dusek/Estadão

Nos esclarecimentos que deu no almoço com Eliane Cantanhêde, da Rádio Eldorado, na quarta-feira 10 de janeiro de 2018, o presidente Michel Temer escorregou no perigoso pântano da memória fraca ao atribuir apenas à primeira instância da justiça a suspensão da posse da deputada que nomeou para o ministério do Trabalho, quando, na verdade, a decisão do juiz de Niterói foi confirmada duas vezes na segunda instância pelo TRF-2. Este foi um dos temas que abordei no Estadão às 5, ancorado por Adriana Ferraz e transmitido do estúdio da TV Estadão no meio da redação do jornal na quinta-feira 11 de janeiro de 2018, às 17 horas, com retransmissão pelas redes sociais Youtube, Twitter, Periscope Estadão e Facebook.

Para ver o vídeo do programa clique aqui

A PALAVRA DO ITAMARATY


Faço referência a seu comentário na TV Estadão, transmitido na tarde de ontem, 11 de janeiro, sobre os esforços do Ministério das Relações Exteriores para auxiliar o cidadão brasileiro Jonatan Moisés Diniz, detido sem acusação na Venezuela. O Itamaraty, e o ministro Aloysio Nunes Ferreira, cumpriram sua obrigação legal de prestar auxílio consular a um cidadão brasileiro, sem qualquer tipo de preconceito.

Conforme o ministério informou em nota de 4 de janeiro, desde que o militar e político venezuelano Diosdado Cabello, em seu programa de televisão no dia 27 de dezembro, afirmou que o cidadão brasileiro havia sido detido, o Itamaraty procurou as autoridades desse país, tanto em Brasília quanto em Caracas, para obter dados sobre seu paradeiro.

Em 5 de janeiro, o Ministério das Relações Exteriores da Venezuela confirmou à Embaixada do Brasil em Caracas que o cidadão brasileiro havia sido detido. No dia seguinte, as autoridades venezuelanas informaram que Diniz seria expulso do país, o que de fato aconteceu.

Durante todo o período, tanto o consulado brasileiro em Caracas quanto o Itamaraty mantiveram permanente contato com a família de Diniz e, após sua chegada aos Estados Unidos em 6 de janeiro, com o próprio.

Atenciosamente,

(Claudio Garon)
Assessoria de Imprensa do Itamaraty