Incentivo à impunidade
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Incentivo à impunidade

Defesa de Lula investe na divisão exposta e assumida do STF para evitar que ex seja preso depois do julgamento dos embargos do TRF-4

José Nêumanne

20 Março 2018 | 12h13

Gilmar Mendes participa da pressão dos colegas de Cármen Lúcia para que ela crie a lei Luloca. Foto: Nelson Antoine/Pagos

Meu Direto ao Assunto abriu o Podcast Comentaristas do Jornal Eldorado da Rádio Eldorado – FM 107,3 – na manhã de terça 20 de março de 2018 com os seguintes temas: a manchete do Estadão registrou que, sob pressão, STF debate prisão em segunda instância; o ministro do STF Gilmar Mendes foi “sorteado” para relatar pedido dos advogados cearenses de um habeas corpus coletivo para condenados em segunda instância e o negou; mais uma notícia importante protagonizada pelo mesmo Gilmar Mendes é que ele determinou monocraticamente que o juiz Marcelo Bretas refaça a partir do zero todos os depoimentos da Operação Ponto Final; Lula enfrentou oposição em Bagé,  no Rio Grande do Sul, por onde iniciou nova peregrinação na tentativa de liderar resistência à ordem de prisão do TRF-4 de Porto Alegre; autorizado pelo TRF-4, depois de ter indeferido seus recursos, Sérgio Moro mandou executar a pena do empreiteiro Gerson Almada; o BR 18 do Estadão publicou que o ministro do STF Dias Toffoli informou, segundo o blog da repórter Andrea Sadi, da GloboNews, que dia 27 vai liberar para votação o pedido de vista sobre a extinção do foro privilegiado, cuja maioria foi obtida anteriormente e agora isso passa a depender de Cármen Lúcia; está na primeira página do Estadão que o general interventor revelou que segurança do Rio tem déficit de 3 bilhões e 100 milhões de reais, mas Temer primeiro anunciou concessão de 600 a 800 milhões; e a investigação policial sobre a execução de Marielle e Anderson está parecendo fazer parte de uma série de filmes de Os Trapalhões. Alexandre: Garcia comentou a prisão em segunda instância cada vez mais confirmada; os partidos perdidos na eleição presidencial; e até bispo, monsenhor e padres entraram na corrupção. Eliane Cantanhêde abordou o encontro de Carmen Lucia com ministros do Supremo, que tentam emparedá-la para novo julgamento sobre a segunda instância; o juiz Sérgio Moro usando uma sentença para fazer uma defesa contundente da prisão após a segunda instância. E, em Direto da Fonte, Sonia Racy disse que, atingidas por diferentes desafios, as esquerdas brasileiras “tentam explorar o assassinato da vereadora Marielle Franco como um fato político”, mas “a sociedade, em sua maioria, não vai aceitar” essa versão, conforme o cientista político Murilo Aragão, da Arko-Advice, de Brasília.

Para ouvir clique aqui