Cuspindo na cara do povo
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Cuspindo na cara do povo

Dodge pede ao STF que anule decisão do ministro Toffoli que suspendeu cassação do mandato de Demóstenes Torres pelo Senado e ainda invalidou punição da Lei da Ficha Limpa, que é de iniciativa popular

José Nêumanne

02 Abril 2018 | 17h58

Cassado pelo Senado por fingir combater corrupção enquanto servia a bicueiro, Demóstones foi perdoado por Toffoli. Foto: Beto Barata/Estadão Conteúdo

Raquel Dodge, procuradora-geral da República, fez muito bem em representar ao Supremo contra a decisão do ministro Dias Toffoli que, entre outras medidas absurdas, mandou lavar a ficha suja do ex-senador goiano Demóstenes Torres, e com urgência para que nele possa disputar a próxima eleição para o senado em seu Estado, contrariando uma decisão soberana do Senado, que o cassou por ter fingido ser um varão de Plutarco enquanto servia de despachante para o bicheiro Carlinhos Cachoeira. A decisão do ex-advogado do PT é também uma cusparada na Lei da Ficha Limpa, de iniciativa popular. Essa decisão servirá para asfaltar a rampa do TSE para que seu chefão Luiz Inácio Lula da Silva possa candidatar-se à Presidência da Repúblilca, mesmo tendo sido condenado em segunda instância. Este foi um dos temas que comentei no Estadão às 5, programa ancorado por Emanuel Bomfim, transmitido do estúdio da TV Estadão no meio da redação do jornal e retransmitido pelas redes sociais Youtube, Twitter, Periscope Estadão e Facebook na segunda-feira 2 de abril de 2018, às 18 horas.

Para ver o vídeo clique aqui