Cartão vermelho para Jaquinho
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Cartão vermelho para Jaquinho

Indiciamento pela PF do baiano Jaquinho, provável titular na disputa pela Presidência, desfalca banco de reservas do PT

José Nêumanne

27 Fevereiro 2018 | 12h13

PF fura a bola da tabelinha do ataque do PT na Bahia com Dilma deposta e Jaquinho indiciado. Foto: Manu Dias/GOVBA

Meu Direto ao Assunto abriu o Podcast Comentaristas do Jornal Eldorado da Rádio Eldorado – FM 107,3 – da manhã de terça-feira 27 de junho de 2014 abordando as seguintes notícias: Jaques Wagner é acusado pela PF de ter recebido R$ 82 milhões em propinas pela demolição e reconstrução da Arena Fonte Nova para a Copa; Raquel Dodge proíbe Fernando Segóvia de ir além das funções administrativas e o ameaça de destituição se se meter em inquéritos da PF, mas libera Temer de ter sigilo quebrado no inquérito do Porto de Santos; o presidente cria Ministério da Segurança Pública e nomeia Raul Jungmann seu primeiro ministro; novo ministro da Defesa, Joaquim Silva e Luna, já foi processado pelo TCU; OAB quer explicações dos interventores da Segurança no Rio sobre fichamento em comunidades. PGR suspende acordo de delação premiada de Wesley Batista, da JBS; Eduardo Guardia, número 2 da Fazenda, ganha apoio para ser substituto de Meirelles no ministério; e Kassab pode rever apoio a Alckmin, caso Temer venha a ser candidato. Eliane Cantanhêde comentou a posse de Jungmann na Segurança Publica, marcada para 11 horas da terça-feira 27 no Planalto, com o diretor da PF, Fernando Segovia, sob os holofotes (fica ou sai?); a enorme repercussão da Operação Cartão Vermelho sobre Jaques Wagner, que desfalca banco de reservas do PT; Manoela d’Áavila diz que esquerda precisa se unir, mas em torno de quem?; Temer está rindo à toa com a decisão da PGR de cancelar o acordo de delação de Wesley Batista; e, no final, a notícia que é muito boa para o país, para o governo e para Meirelles. Alexandre Garcia abordou o Ministério da Defesa, enfim com alguém do ramo; Jacques Wagner, o naufrágio do plano B do PT; a OAB e a Lei das Contravenções Penais no Rio. E, em Direto da Fonte, Sonia Racy, contou que o Cade decide na quarta 28 se a Ultragaz pode comprar a Liguigás.

Para ouvir clique aqui