Lula está magoado

Marcos Guterman

20 Dezembro 2010 | 18h28

O presidente Lula voltou a defender a aproximação do Brasil com o Irã, reiterando a tese segundo o acordo com Teerã mediado por brasileiros e turcos respeitou os termos que os EUA queriam e, apesar disso, o Conselho de Segurança da ONU aprovou novas sanções contra os iranianos. Lula sugeriu que a atitude das potências foi movida por despeito: “A única explicação é que era preciso punir o Irã porque o Brasil e a Turquia tinham se metido numa seara que não era a de país considerado emergente”.

A mágoa lulista, reação mais apropriada a uma criança mimada do que a um chefe de Estado, não levou em conta que o Conselho de Segurança da ONU inclui um emergente, a China, e aprovou as sanções porque Teerã não deu garantias de que sua palavra valia alguma coisa. As reincidentes mentiras contadas pelos iranianos acerca de seu programa nuclear deveriam bastar para que o governo brasileiro não fosse tão crédulo a respeito das intenções da república islâmica. Mas Lula, então como agora, estava mais preocupado em alimentar a busca inconseqüente de um suposto prestígio internacional do que em aceitar as responsabilidades de potência, o que inclui punir quem deve ser punido.

Por outro lado, Lula acertou ao dizer que “é preciso envolver outros países para negociar a paz no Oriente Médio”, e não apenas os EUA. Quanto mais ampla e variada for a pressão para que israelenses e palestinos dialoguem, menor será a hipótese de que esses atores se escorem em interesses menores e particulares para fugir a sua responsabilidade histórica.

Contudo, o envolvimento efetivo nesse tipo de negociação pressupõe um grau de poder maior do que o Brasil dispõe hoje – e isso inclui aceitar a “perspectiva de sacos de corpos retornando ao Brasil”, como teria dito o general Jorge Armando Félix, ministro do Gabinete de Segurança Institucional, segundo o registro diplomático americano vazado pelo WikiLeaks. Não há como reivindicar a liderança sem estar pelo menos disposto a se envolver diretamente nos conflitos, se for o caso.