Renúncia, impeachment ou governo-zumbi, mas o amanhã não será de direita

Marco Aurélio Nogueira

08 Outubro 2015 | 16h31

Passado o pesadelo da quarta-feira 7 de outubro, dia em que o governo Dilma sofreu derrotas em cascata no Congresso e nos Tribunais, muitos concluíram que agora o processo entrou mesmo no trecho final da estrada: ou a presidente renuncia ou sofrerá o impeachment.

Como hoje as nuvens políticas estão mais passageiras do que nunca e mudam a cada sopro de vento, tornou-se arriscado fazer prognósticos categóricos. Nem sequer dá para prever as reações prováveis dos atores que se movimentam no jogo.

Penso, por exemplo, que tão válidas quanto a renúncia, a cassação ou o impeachment da presidente, duas outras hipóteses podem nos ajudar a organizar o cenário. Uma delas é irrealista:  um governo Dilma suprapartidário, solto do PT e do PMDB, recomposto a partir de novos parceiros e com um projeto claro de governança e desenvolvimento. Isso não ocorrerá, seja porque não há quem articule uma saída assim complexa, seja porque os eventuais parceiros (PSDB, Rede, PPS, PSB) não estão em condições de aceitar este gesto de grandeza democrática da presidente. Ela própria, aliás, não tem densidade envergadura suficientes para fazê-lo, bloqueada que está pelo fogo amigo do PT, pelo ministério recém reformulado, pela base aliada, com sua voracidade inesgotável, e também pelo estilo e pelo temperamento de Dilma.

A outra hipótese, porém, é factível: o governo assume a condição de zumbi, de morto-vivo, e vai se arrastando a esmo até 2018. Sugeri isso em um seminário de que participei semana passada. Por que podemos cogitar de um governo-zumbi que seja “tolerado” e não caia? Primeiro de tudo, porque os eventuais antídotos contra ele não estão claros, não foram testados e não reúnem consensos. O vírus que atacou o governo é mal conhecido, precisa ser mais investigado. Além disso, um governo-zumbi surge como produto autêntico do sistema político existente, do modo como as forças democráticas e progressistas travaram a luta política entre elas, da prática espúria de coalizões sem alma, da falta de caráter dos partidos políticos, da péssima qualidade dos parlamentares.


Ao sistema que pariu o governo-zombie cabe a função de embalá-lo, mais que de rejeitá-lo. Para ficar livre dele, precisaria reunir forças que não parecem existir em seu interior. Teria de apelar para o ambiente político como um todo, que está bastante degradado pela devastação produzida pela corrupção sistêmica, pelos efeitos da operação lava-jato, pelos excessos da polarização interpartidária que paralisou e envenenou o progressismo entre nós. Nem sequer a sociedade civil pode ser mobilizada, pois ela também está sem rumo, sem organização, movendo-se por indignações seletivas e localizadas.

Sejam quais forem as cogitações, o fato é que o governo Dilma terminou sem que tenha, a rigor, começado. Foi atropelado pela maré montante da lava-jato, pela irresponsabilidade fiscal e pela crise econômica, esta última em boa medida provocada pela gestão econômica do  2011-2014. Não se trata de um governo que rouba, mas de um governo que não sabe governar. Um transatlântico que não se deu conta de que o mar alterou suas correntes e não sabe, por isso, como encontrar equilíbrio.

O segundo governo Dilma é um fiasco descomunal. Trata-se de um governo sem perfil, sem coordenação e sem liderança. Seus ministérios (o de ontem e o de hoje) são quase patéticos, formados que foram, o primeiro, na ilusão de que todos se dobrariam a um “coração valente” consagrado pelas urnas, e o segundo na expectativa de acomodar interesses localizados para produzir mais sustentação parlamentar ao governo. Ambos fracassaram. Não há um plano de ação, não há um “primeiro-ministro” ou um Presidente que articule o governo, apare arestas, converse com os políticos, não há diretrizes claras para o Estado e para a sociedade. Um governo-zumbi, literalmente.

Um governo assim está a produzir o emparedamento da Presidente, fato que agrava sua desmoralização e sua falta de liderança. Todos a cercam, todos a criticam, não há gestos salvadores nem ombros amigos, somente cálculos, interesses e lágrimas de crocodilo. A hora é da cizânia e dos falsos companheiros, dos velhos líderes que se querem salvadores da Pátria mas que talvez não perderiam muito com a derrocada de um governo que já foi “carne de sua carne”.

Mas é importante reconhecer que o País seguirá em frente, creio eu, sem sobressaltos ou retrocessos na orientação política geral. A crise econômica já se instalou, o ajuste fiscal será feito, e disso decorrerão desdobramentos complicados para a vida cotidiana. A combinação de inflação, desemprego e represamento salarial fornecerá a química de que se necessita para o desencadeamento de novos protestos e manifestações. Mas a democracia política está institucionalizada, a instabilidade não interessa a ninguém, as instituições de controle e fiscalização estão aí e podem melhorar ainda mais seu desempenho, novos partidos (como a Rede) poderão abrir as comportas da representação e injetar nova dinâmica à política.

A democracia política, além do mais, faz coro com uma democratização que se expande na sociedade. Alguns brasileiros podem até ter simpatias por “pautas conservadoras” no plano dos costumes e da moral, mas não têm como aceitar movimentos categoricamente regressistas em termos de políticas sociais e benefícios estatais. Não somente se acostumaram a eles, como não podem viver sem eles, que também são, por isso mesmo, estratégicos para o próprio capitalismo. A democratização que está se instalando na vida — aumento de liberdade, autonomia, movimentação, deslocamentos, conectividade em rede, novos hábitos e valores, novas formas de trabalho e emprego, hierarquias redefinidas — funciona como fator que trava as chances de uma direita típica.

Seria preciso, desde logo, qualificar melhor o que se chama de direita. Vê-la em todos os cantos que se posicionam contra o PT é irracional e contraproducente. Sem capturar a diferença específica entre as várias correntes e personalidades políticas não se consegue avançar um centímetro.

Há muitos soluços e esgares direitistas à solta por aí. Mas é falsa a ideia, professada por muitos, de que há uma armação direitista e reacionária voltada contra um inimigo único e comum, o PT. Ela agregaria a mídia, os bancos, a burguesia, as oligarquias agrárias, a elite branca, a classe média ressentida, o imperialismo norte-americano, o capitalismo internacional, a Fiesp — em suma, poria num mesmo barco todos aqueles que têm alguma diferença com o governo Dilma. Formar-se-ia, assim, uma direita que atuaria em bloco. É um raciocínio tosco, que só serve para estigmatizar.

Como este é, em boa medida, o discurso oficial, ele atrapalha a presidente. Impede que ela, por exemplo, chame os líderes das diversas correntes para uma conversa. Açula os refratários a negociações e entendimentos, ajudando a disseminar ódio e intolerância. Impede, também, que se possa ver o governo Dilma como ele é: não como um governo de esquerda ou progressista, mas simplesmente como um mau governo. Por vias transversas, força a que se pense que do outro lado (ou seja, na oposição) jaz o inferno. E deixa o governo sem outra opção que não a de seguir em frente do jeito que está.

A denúncia da armação direitista contra o PT cria um cenário sombrio, que desmobiliza querendo mobilizar. Torna impossível uma análise cuidadosa que explique o crescimento da onda social antipetista que rouba sustentação da presidente. Fica solta no ar, ora servindo para fazer do PT uma vítima, ora buscando funcionar como fator de deslegitimação das oposições.

Seja qual for o desfecho da atual crise, uma coisa poderia começar a ser dita: o amanhã não será de direita.