1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Quem Faz

JULIA DUAILIBI é jornalista, trabalhou nas redações de Veja, Folha de S. Paulo e Estadão, em Brasília e em São Paulo.
sexta-feira 24/10/14 07:07

TSE e a mudança das regras durante o jogo

Publicado ontem no Estadão Noite Na semana passada, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) mudou entendimento sobre a propaganda eleitoral no rádio e na TV, passou a proibir o que considerada “ataques pessoais” e determinou que a divulgação das candidaturas seja “propositiva”. A decisão do tribunal chama atenção pelo momento em que foi tomada, com o jogo em campo e nos 45 minutos finais do segundo turno, e pela interferência prévia que passa a ter no conteúdo da propaganda, o que levou alguns ...

Ler post
quinta-feira 23/10/14 20:22

FHC e namorada pedem eleição com mais amor

Em vídeo enviado por Whatsapp, serviço de mensagem por celular, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso fala em amor e pede voto a Aécio Neves (PSDB). O tucano gravou ao lado da namorada, Patricia Kundrat, que também pediu "mais amor" na eleição. Quem começa o vídeo é Patricia. "Gente, essa eleição tá com muita falcatrua, muita mentira e discurso de ódio. Essa eleição tem que ser feita, tratada, com amor", declarou Patricia, que então olha para o ex-presidente, sentado ao seu lado ...

Ler post
quarta-feira 22/10/14 16:27

A culpa é sempre do marqueteiro

Coisa mais comum em campanha é o marqueteiro virar alvo dos políticos quando algo começa a não se sair tão bem num comitê. Nos bastidores, o marqueteiro de Aécio Neves (PSDB), Paulo Vasconcelos, tornou-se por ora o alvo preferido dos tucanos, na esteira das duas pesquisas Datafolha que colocam Dilma Rousseff (PT) numericamente na frente do tucano. Embora, no geral, os aliados políticos de Aécio questionem as pesquisas (eles afirmam que os levantamentos internos mostram outro cenário - tracking concluído ontem ...

Ler post
terça-feira 21/10/14 12:39

Tucanos apostam em desempenho de Aécio no debate

Após resultado do Datafolha, que aponta inversão no quadro eleitoral com Dilma Rousseff (PT) liderando numericamente a corrida, o comitê de Aécio Neves (PSDB) tem agora uma missão difícil: paralisar o que parece ser uma onda pró Dilma bem na reta final da campanha. A tarefa é complicada, principalmente num cenário em que o TSE criou nova jurisprudência e proibiu as campanhas publicitárias no rádio e na TV com ataques.

O discurso crítico contra Dilma e contra corrupção continuará. O problema é ser mais do mesmo, já que o eleitor tomou conhecimento de desvios, como na Petrobras, mas parece não estar disposto a mudar seu voto por causa do escândalo.

O PSDB identificou também que não pode se descuidar das propostas. Nas pesquisas qualitativas recentes feitas pela campanha, o eleitor quer saber o que Aécio tem para mostrar. A avaliação no comitê é a de que muitos dos votos que estavam menos cristalizados na classe média e que migraram para Dilma são de eleitores que identificaram na presidente maior capacidade de fazer as coisas (segundo o Datafolha, 44% acham que Dilma é mais preparada para cuidar da educação, contra 40% de Aécio; na saúde, 40% apontam a petista como a mais preparada, contra 41% que dizem ser o tucano). 

A questão da ausência de propostas foi um dos efeitos colaterais do violento debate de quinta-feira, no SBT – o outro foi a pecha de truculento usada pelo PT contra o candidato do PSDB nos dias seguintes ao encontro e que, segundo monitoramento da campanha tucana, colou em Aécio (Datafolha também mostrou queda de três pontos porcentuais do tucano entre o eleitorado feminino). 

A campanha do PSDB tentou calibrar o discurso propositivo no debate da Record, no domingo. Foram formados grupos de 24 leitores indecisos, em São Paulo, Belo Horizonte e Rio. Depois do debate, 14 deles se diziam pró Aécio, 3 com Dilma e sete indecisos. Muitos dos eleitores destacaram as propostas, entre as quais Creche para Todos e o discurso da segurança (Aécio também é apontado por 41% eleitores como o mais preparado para combater a violência contra 36% dos que dizem ser Dilma). 

Do lado petista, o resultado da pesquisa é visto ainda com cautela. Nos últimos dias, os trackings do partido mostravam a petista numericamente na frente do tucano. O PT avalia que foi eficiente ao aumentar a rejeição de Aécio e trazer votos menos cristalizados da classe média, muitos deles que estavam com Marina Silva (PSB) e que no começo do segundo turno flertaram com o tucano.

Mas os petistas acham que não podem descuidar. Portanto, as críticas ao candidato do PSDB também continuarão, no limite do que for possível no novo entendimento do TSE. A ideia é manter a rejeição do tucano alta, colocando nele o rótulo de candidato dos ricos (56% dos eleitores acham que ele defenderá os mais ricos) e explorando a crise da água, que ajuda a causar uma erosão na candidatura do PSDB no principal bastião eleitoral do partido, o Sudeste, onde Dilma também avançou.

Para fazer frente às investidas do PT, a principal aposta para Aécio agora é o debate de sexta-feira, na Rede Globo. O formato do encontro, avalia-se na campanha, pode ser positivo para o tucano, porque o prevê conversas diretas com eleitores e caminhadas pelo palco. Aécio teria boa desenvoltura e bom gestual, qualidades que seriam importantes no confronto contra a adversária. A expectativa é que o debate da Globo tenha a maior audiência entre os encontros realizados até agora. A questão é saber se a dois dias da eleição um bom desempenho será suficiente para reverter o que pode ser um momento positivo para Dilma na reta final. 

 

Ler post
sexta-feira 17/10/14 20:16

Baixaria de Aécio e Dilma legitima comportamento do eleitor

Os candidatos Aécio Neves (PSDB) e Dilma Rousseff (PT), ao protagonizarem situações patéticas como o debate de ontem, no SBT/UOL, colocam mais lenha na fogueira entre petistas e tucanos, Brasil afora. A baixaria que os dois promoveram legitima a pancadaria que já corre solta na rede há meses e que, agora, parece chegar de maneira perigosa às ruas. É bom que as pessoas estejam envolvidas com política, num País em que o eleitor geralmente não lembra o nome do deputado federal ...

Ler post
quinta-feira 16/10/14 22:46

Aécio e Dilma: UFC eleitoral

A depender da escalada de agressões nos debates, chegaremos ao final da eleição com os dois candidatos à Presidência trocando sopapos na frente das câmeras. Aécio Neves (PSDB) e Dilma Rousseff (PT) praticamente perderam a compostura e protagonizaram o embate mais duro feito nesta eleição até agora, durante o encontro de hoje no SBT - e olha que o anterior, na Band, na última terça-feira, já havia sido um duelo e tanto. Além do "arroz com feijão" dos últimos confrontos (troca de ...

Ler post
terça-feira 14/10/14 11:12

PT cobra Haddad por derrota de Padilha

O clima entre o PT e o prefeito Fernando Haddad azedou. Na sexta-feira passada, o presidente estadual do partido, Emidio de Souza, e o ex-candidato petista ao governo de São Paulo, Alexandre Padilha, foram à Prefeitura fazer um balanço da campanha com o prefeito. Depois de certo tempo de conversa, os ânimos ficaram exaltados, a ponto de assessores terem percebido o clima ruim. O prefeito levantou a voz para Emidio, que cobrava a fatura da derrota de Padilha. Os petistas acham ...

Ler post
quinta-feira 09/10/14 22:14

O legado de 2014

Publicado no Estadão Noite Caro eleitor, prepare seu estômago porque o segundo turno não será brincadeira. Em jogo, está a principal cadeira do País, e ao que tudo indica a disputa pelo posto será das mais acirradas e agressivas desde 1989. A movimentação nos bastidores das campanhas, o tom dos principais colaboradores de Dilma Rousseff (PT) e Aécio Neves (PSDB), a reverberação desse caldo político no eleitorado e a sua conseqüente manifestação histérica nas redes sociais mostram que não serão semanas ...

Ler post
terça-feira 07/10/14 13:34

Antecipar Arminio como ministro só serviu para dar munição ao PT

O candidato do PSDB, Aécio Neves, errou ao se antecipar e nomear Arminio Fraga, ex-presidente do BC, como ministro da Fazenda em uma eventual gestão sua. O tucano anunciou a medida durante o debate da Band, ainda no primeiro turno, quando Marina Silva (PSB) começava a crescer e a arrancar votos de eleitores que tradicionalmente votam no PSDB. Aécio tentou estancar a corrente de votos para a candidata do PSB e fez uma sinalização para o seu público. Ao que parece ...

Ler post