1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Quem Faz

JOÃO BOSCO RABELLO está no jornalismo político desde 1977, em Brasília, onde participou da cobertura do período que vai da abertura do regime militar à Assembléia Nacional Constituinte de 88, passando pela redemocratização, com a eleição e morte de Tancredo Neves, o primeiro governo civil, de José Sarney e os que o sucederam. Iniciou sua carreira em 1974, no extinto Diário de Notícias, no Rio de Janeiro (RJ). Transferiu-se para Brasília (DF), em 1977, onde alternou as funções de repórter político,coordenador, editor e diretor de sucursal, no Correio Braziliense, Empresa Brasileira de Notícias, O Globo, Jornal do Brasil e o Estado de S.Paulo (1990/2013), nessa ordem. É responsável também pelo conteúdo de análise política do serviço em tempo real Broadcast, da Agência Estado.
terça-feira 31/05/11 15:33

Só diálogo salva governo de nova derrota no Código Florestal

Os movimentos menos hostis do governo, ainda que a fórceps, indicam que o Planalto pode ter extraído  da derrota a avaliação de que o abrandamento da crise passa por evitar uma nova derrota na votação do Código Florestal, desta vez no Senado. Para o que precisará chegar a um acordo com a sua base, que pode começar no almoço da presidente com a bancada do PMDB amanhã. Mas ainda se percebe um gosto no Planalto pelo confronto. Ele se materializa no discurso ...

Ler post
domingo 22/05/11 09:49

Código Florestal volta a votação com governo enfraquecido

Obstruído pelas suspeitas de tráfico de influência de seu principal articulador político,  ministro Antônio Palocci, o governo volta enfraquecido à batalha em torno do novo Código Florestal, cuja votação está prevista para depois de amanhã. Sem muitas esperanças de reverter a maioria favorável ao relatório do deputado Aldo Rebelo (PC do B-SP), já se fala em veto presidencial ao que vier a ser aprovado contra a vontade do Planalto. É um novo risco de derrota: a julgar pela determinação da base ruralista, ...

Ler post
sábado 21/05/11 20:00

Aécio conta com Alckmin e corteja Eduardo Campos

A estratégia de Aécio na tentativa de consolidar-se como candidato do partido em 2014 à sucessão de Dilma Rousseff considera que a  candidatura de Gilberto Kassab ao governo paulista “amarrou” o governador Geraldo Alckmin à cadeira, impondo-lhe a reeleição. Tese reforçada pelo ingresso de seu vice, Afif  Domingos no  recém-fundado PSD, onde é alternativa à sucessão do atual prefeito de São Paulo.  O ostensivo empenho do ex-presidente Lula em quebrar uma hegemonia tucana de 16 anos no Estado completa a conveniência de ...

Ler post
sábado 21/05/11 18:35

PSDB vai à convenção sem acordo

Na semana que antecede a convenção nacional (dia 29 próximo), as correntes em disputa pelo comando do PSDB dão por perdidas as chances de um acordo capaz de pacificar o partido.

As últimas manifestações dos  porta-vozes dos ex-governadores de Minas e São Paulo sintetizam o clima: de um lado, os aecistas lembram a frase de Tancredo Neves de que não se faz política sem  vítimas; de outro, surge a ameaça de judicializar o processo, se José Serra for derrotado.  

Materializam a disputa os cargos de presidente, secretário-geral e a direção do Instituto Teotônio Vilela (ITV), este último depositário de porcentual significativo do Fundo Partidário que, em 2011, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) estima em R$ 11 milhões para o partido.

Para a corrente do senador mineiro, o comando do ITV permitiria ao rival José Serra transformá-lo numa célula a fortalec er sua candidatura em 2014, projeto que Aécio também tem para si.

Aécio Neves trabalha pela reeleição do deputado Sérgio Guerra à presidência, pela permanência do deputado mineiro Rodrigo de Castro na Secretaria-Geral e pela eleição do ex-senador cearense Tasso Jereissati à presidência do ITV.

O ex-governador de Minas opera obstinadamente as bancadas regionais pela adesão à sua tese de “despaulistização” do partido em favor de uma maior capilaridade nacional que  reduza sua dependência do eleitorado do sudeste.

O que soa como música aos ouvidos das bancadas do norte e nordeste.

Terça-feira passada, uma reunião das bancadas , na qual Minas e São Paulo tiveram apenas um representante cada, deixou claro que o fim da hegemonia paulista é forte aliado do senador mineiro.

Ler post
quinta-feira 19/05/11 13:08

Palocci: não há blindagem contra a dúvida

  O governo demora a perceber que não há blindagem possível contra a dúvida e insiste na decisão de preservar o ministro Antonio Palocci sem abrir as informações sobre a sua consultoria. A dúvida de hoje em relação a Palocci foi certeza ontem com sua antecessora no cargo, Erenice Guerra. Dela ficou provado o tráfico de influência, dele fica a suspeita de igual conduta enquanto prevalecer o argumento da confidencialidade dos contratos de sua empresa. Argumento, por sinal, que se situa naquele terreno ...

Ler post
terça-feira 17/05/11 12:09

Governo administra mal episódio Palocci

dilma palocci celso junior ae 17052011 600

  Palocci com Dilma durante a visita do primeiro ministro da Suecia Fredrik Reinfeldt no Palacio do Planalto, nesta terça-feira, 17. Foto: Celso Junior/AE O governo mais atrapalhou do que ajudou o ministro Antonio Palocci – e, portanto, a si próprio – com as declarações produzidas no Planalto e no Conselho de Ética nas últimas horas. Tanto o Secretário-Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, quanto o presidente do Conselho, Sepúlveda Pertence, se esquivaram ...

Ler post
domingo 15/05/11 08:00

Pausa para respirar

A visibilidade reconquistada com a participação decisiva no adiamento da votação do Código Florestal devolveu à ex-senadora Marina Silva algum fôlego na sua luta interna dentro do Partido Verde pela renovação de seu comando. Mas prevalece ainda o prazo informal estabelecido  - até o final do ano – para que o atual presidente , deputado José Penna (SP), há 12 anos no cargo, cumpra as exigências feitas por Marina para a sua permanência no partido. Entre as condições para a pacificação está ...

Ler post
sábado 14/05/11 20:00

O risco de um revés revanchista

A estratégia de terceirizar a negociação política para evitar a pressão pessoal, tem custado à presidente Dilma Rousseff críticas generalizadas dos parlamentares da base aliada. São muitas as queixas de deputados por não serem recebidos pela presidente, que também refletem a insatisfação dos ministros com igual tratamento. O estilo gerencial de reuniões coletivas para balanço das metas assumidas cada vez incomoda mais e constrange ministros que se ressentem das conversas individuais com a presidente – sempre um sinal de prestígio, mas sobretudo ...

Ler post
sábado 14/05/11 18:00

Para além do Código Florestal

Com o rompimento do acordo que, bem ou mal, fora assinado pelas suas lideranças em torno do texto de reforma do Código Florestal do deputado Aldo Rebelo (PC do B-SP), o governo exibiu a fragilidade de sua articulação política, insuficiente até aqui para administrar os conflitos de interesses entre PT e PMDB - para ficar nos dois maiores partidos de sua base de sustentação. À parte o mérito da questão ambiental, o que emerge do episódio da última quarta-feira, é a ...

Ler post