1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Quem Faz

HUMBERTO DANTAS Cientista social, doutor em ciência política, professor do Insper e da FESP-SP, e colunista da Rádio Estadão. EDER BRITO Jornalista, mestre em administração pública, servidor público em São Paulo e coordenador de projetos da Oficina Municipal. CAMILIA TUCHLINSKI Jornalista, radialista, apresentadora e repórter da Rádio Estadão. Cobre assuntos gerais. Observadora e curiosa sobre a política nacional.
sábado 31/05/14 07:39

A vez das mulheres

Sentiu falta do texto de sexta-feira no nosso blog? Pois é, deixamos a entrada de ontem para o evento de hoje. Estamos inaugurando o novo portal do Estadão e trazendo novidades aqui também! Assim, falaremos das mulheres. E começo com uma provocação: a primeira mulher a gente nunca esquece. Ou melhor: esqueça! Esqueça a possibilidade de este post tratar de minhas intimidades. Estou falando da primeira mulher a chegar ao poder, de acessar, de conquistar espaço. E elas estão cada ...

Ler post
quarta-feira 28/05/14 12:50

Microrrevoluções

Por Eder Brito Ouvir diariamente o discurso de dezenas de servidores públicos é uma tarefa meio esquizofrênica. Ao mesmo tempo que é um privilégio ter acesso a tanta informação boa e a tanta análise realista do serviço público municipal brasileiro, é também frustrante perceber que a qualidade das nossas Prefeituras ainda está longe do ideal. Parece que vai se instalando no olhar uma “lente bifocal dissimulada”, que ajuda a enxergar fácil e rapidamente um lado muito ruim e faz passar despercebidas ...

Ler post
segunda-feira 26/05/14 07:43

O legado da plena ignorância

A mistura partidária federativa e o terrorismo eleitoral são apenas dois dos pontos que costumam trazer desconforto para quem observa a nossa política atentamente. Em 2002, por exemplo, era Regina Duarte a ter medo do que Lula faria se ganhasse a presidência. Estrelou a campanha de José Serra (PSDB) e contribuiu para endossar o descontrole dos mercados. O petista foi hábil, escreveu uma carta falando que louvaria os contratos e traria estabilidade ao país, ganhou a eleição, cumpriu a promessa ...

Ler post
sexta-feira 23/05/14 07:10

O diabo na política

Esqueça se diante do título pensas que vai ler algo sobre o personagem vivido por Lima Duarte no clássico seriado de TV, O Bem Amado. Lá, Zeca Diabo era o temido cangaceiro, ou justiceiro, ou o que quer que seja associado à morte à margem da lei. Mas esqueça. Aqui vamos falar da política real, da vida como ela é: infelizmente. Isso porque algumas leituras de mundo dos políticos nos aproximam do infernal universo das crenças que nada têm a ver com a política e a gestão pública. Mas fazer o que?

 

Nossa história começa em 2007. O mundo prestou pouca atenção, mas ainda assim o noticiário não deixou passar totalmente em branco a história de um prefeito de cidade no Arkansas, Estados Unidos, que renunciou ao mandato dizendo ter sido “abduzido pelo diabo” em meados dos anos 70 em Indiana. A partir de então esqueceu todo o seu passado e só o recobrou por meio de uma injeção. Vai saber o conteúdo da seringa. Seu nome? Depende. E isso não é uma charada ao estilo Gato do Face. O prefeito se chamava Ken Willians, o desaparecido se chamava Don LaRore. Eram, ou ainda são, a mesma pessoa…

 

No Brasil, ao invés de provocar risos, atos como estes são levados a sério. Ou seja, parece que existem pessoas que acreditam nesse tipo de coisa. O deputado federal Missionário José Olímpio (PP-SP) apresentou projeto de lei na última semana com o objetivo de impedir uma “satânica Nova Ordem Mundial”, de acordo com o site Congresso em Foco. Na justificativa da proposta deixou claros alguns trechos do Apocalipse, pouco importando o caráter laico de nosso estado. Seu maior objetivo é impedir a implantação obrigatória de chips em seres humanos no país – que chips são esses? Além de ferir aspectos do artigo 5º da Constituição, o que poderia até gerar um bom debate, este seria o “fim dos tempos”, o símbolo da “marca da besta”, segundo o projeto. Para se proteger, o deputado poderia desistir de sua carreira política, sobretudo se levar a sério algumas declarações da presidente Dilma Rousseff. Faz alguns meses nossa mandatária maior afirmou que em campanha vale tudo, até o diabo. Cuidado deputado! Fuja!

 

Mas se no plano federal o demônio só aparece na campanha, para os vereadores de Quixadá, no Ceará, a crise é mais profunda. Estaria o Missionário com a razão? De acordo com o informativo virtual Monólitos Post, o vereador Audênio Moraes (PPL) diagnosticou a presença maligna. Seu colega Ereni Tavares (PT), conhecido como Capitão, chamou o prefeito de abestado em discurso crítico à iluminação pública. Recebeu como troco do presidente Pedro Baquit (PSD) um pedido de respeito à figura do mandatário. A bronca foi completada pela afirmação de que Capitão tem “o peito cheio de corrupção”. Diante da confusão, parece possível afirmar que Moraes é um visionário. O Monólitos mostra que horas antes do entrevero ele afirmou: “em toda sessão eu vejo a pomba gira aqui nessa casa. Se passar um redemoinho aqui, é perigoso até o capeta aparecer.” Pronto! Teria o redemoinho passado? Teria ele deixado alguns chips implantados nos parlamentares? Ou quem sabe chegou a abduzir alguém? Respostas não parecem fáceis, mas é fato que o nível do debate em nossa política deve realmente ser obra do capeta. Tenebroso! Sinistro!

Ler post
quarta-feira 21/05/14 12:01

O outro ABC

Por Eder Brito Pesquisa do Pnud (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento) indicou no final de 2013 que São Caetano do Sul, cidade paulista tem o melhor IDH municipal do Brasil. O IDH-M mede as mais importantes áreas do desenvolvimento humano: vida longa e saudável (longevidade), acesso ao conhecimento (educação) e padrão de vida (renda). O índice varia de 0 a 1. Quanto mais próximo do 1, melhor. Em São Caetano do Sul, o indicador aponta 0,862. Distante quase três mil ...

Ler post
segunda-feira 19/05/14 07:51

Nossos laços são pra valer

Durante a CPI da Máfia dos Fiscais um vereador foi acusado de controlar a cobrança de propina de empresários na Lapa, zona oeste de São Paulo. Seu nome era José Izar – por sinal, ainda é. Condenado em 2008 foi preso, e logo depois solto a mando do STF. Na campanha de 2012 estava ao lado de Celso Russomano pedindo voto. Durante as investigações da Câmara Municipal em 1999 se livrou da cassação ao lembrar que sua mão era gigante, ...

Ler post
quarta-feira 14/05/14 11:03

Os 41 territórios militares do Brasil

Por Eder Brito Existe quem defenda a volta da intervenção militar no Governo do Brasil. São pessoas que acreditam que uma “democracia controlada” (haja aspas para se referir a termo tão irônico) é a melhor forma de condução da vida econômica, política e social do país. Não cabe a este blog fazer a análise deste tipo de sugestão estapafúrdia, herança de um pensamento perigoso e elitista. Mas vale olhar um pouco para outra herança: os municípios que têm em seu nome, ...

Ler post
segunda-feira 12/05/14 07:48

Sensíveis demais

Governos pecam por sensibilidade no trato com o cidadão. Parecem mais preocupados, por vezes, com seus planos pessoais ou com aspectos gerais da administração do que com o bem estar comum. Ou tropeçam em valor que a ministra do STF Carmen Lúcia deixou claro recentemente em palestra: a intolerância. Somos intolerantes, não enxergamos o outro. Os absurdos são tão alarmantes que mudam os grupos no poder e as falhas continuam existindo. Mas isso  Madison já havia dito no século XVIII...   Jundiaí no ...

Ler post
sexta-feira 09/05/14 07:30

Onde vale fazer propaganda?

A Constituição Federal afirma que a propaganda é essencial. Sem o uso de canais de comunicação os governos seriam menos capazes de apontar direitos, esclarecer ofertas, orientar cidadãos. A questão é que a propaganda oficial também deve zelar pela impessoalidade. Como garantir tal princípio se os governantes estabelecem estratégias associando propaganda oficial, campanha e feitos administrativos? Isso é claro em todos os níveis de governo, mas quando chegamos à ordem federal temos programas estrelados por presidentes na rádio, uma Voz ...

Ler post