1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Quem Faz

HUMBERTO DANTAS Cientista social, doutor em ciência política, professor do Insper e da FESP-SP, e colunista da Rádio Estadão. EDER BRITO Jornalista, mestre em administração pública, servidor público em São Paulo e coordenador de projetos da Oficina Municipal. CAMILIA TUCHLINSKI Jornalista, radialista, apresentadora e repórter da Rádio Estadão. Cobre assuntos gerais. Observadora e curiosa sobre a política nacional.
segunda-feira 29/09/14 07:39

Secos por votos!

Teste: cidade no interior de São Paulo em que tudo é grande. Pindamonhangaba! Vai dizer o menos informado. Por quê? Ué, olha o tamanho do nome do local. Imagine o resto! Nada disso. Contrariando a lógica nominal a cidade é Itu, e por lá só o nome é pequeno, pois a fama é de imensidão. Assim, se dizem que a cidade é grande em tudo não basta um orelhão gigantesco na praça central, fotografado por milhares de pessoas, e tampouco ...

Ler post
sexta-feira 26/09/14 08:25

Vereadora mirim

dsc0034

Uma menina de 11 anos de idade foi protestar na tribuna popular da Câmara Municipal de Limeira, no interior de São Paulo, nesta semana. O motivo: um vereador estava tentando ‘roubar’ uma iniciativa de caráter social da garota. Desde 2013, Stella Padilha Migliano realiza uma feirinha de troca e doação de brinquedos e livros para crianças do acampamento do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). Ela disse que conseguiu arrecadar mais de 100 livros. Segundo Stella, o objetivo vai ...

Ler post
quarta-feira 24/09/14 12:01

Dilmunicípio em município

Antes de mais nada, peço perdão por ter coragem de usar a piada acima no título do post. Sabe como é, o blog preza também pelo bom humor. Pelo menos você clicou, né? O fato é que Dilma também não tem programa de governo. Tem quase quatro anos de Presidência da República, tem 12 anos de envolvimento direto com a gestão do país, mas ainda não apresentou programa de governo. Alguns até dizem, inclusive a própria candidata, que o programa é ...

Ler post
segunda-feira 22/09/14 07:51

O Brasil é lá, o Brasil é aqui

Pense rápido, na base do desafio: o que as cidades de Ananindeua e Murici têm em comum? Difícil de dizer? Vamos lá. A primeira fica no Pará. Tem quase meio milhão de habitantes, foi fundada em 03 de janeiro de 1944 e está a 19 quilômetros da capital Belém. A segunda é bem mais antiga, de 16 de maio de 1892, e menor em termos populacionais: quase 27 mil habitantes. Murici, que nada tem a ver com o treinador do São Paulo Futebol Clube, fica a 48 quilômetros de Maceió. Então é isso? Em comum as duas têm a proximidade com as capitais de seus estados? “Numa boa espichada o cabra vence as duas distâncias ligeiro”, diria o matuto. Pode até ser, mas não é isso que estamos querendo dizer. Isso não motivaria um texto nesse blog. Então…

Então pronto. Tá fácil. As duas foram recentemente governadas pelo PMDB. Entre as eleições de 2004, com posse em 2005, e 2012, ou melhor, janeiro de 2013. Isso representa dizer que dois políticos do partido que mais elege prefeitos no Brasil foram eleitos em 2004 e reeleitos em 2008. Esquentou. Está bem pertinho. Na verdade a razão é mais expressiva que isso. A proximidade, inclusive, é bem maior que os quase dois mil quilômetros de distância entre elas, ou 30 horas de estradas. Ananindeua e Murici foram governadas recentemente por filhos de “ilustres” senadores brasileiros. Ambos foram eleitos em 2004 e reeleitos em 2008. Estamos falando dos filhos de Jader Barbalho no Pará e de Renan Calheiros em Alagoas. Em comum esses dois cidadãos têm algo além de terem filhos ex-prefeitos. Ambos renunciaram à presidência do Senado em histórias recentes que os eleitores parecem ignorar.

Em setembro de 2001, envolvido em escândalos de corrupção, Barbalho deixou a presidência do Senado. Em outubro renunciaria ao mandato. Nas eleições seguintes tomou via “eleitoral mais segura” e foi o deputado federal mais votado de seu estado, reeleito em 2006. Em 2010, de volta à crista da onda, foi eleito senador novamente. Já Calheiros renunciou ao posto de presidente do Senado em dezembro de 2007, depois de se ver envolvido no que o país chamou de Renangate – denúncias associadas a questões públicas e privadas. Não chegou a deixar o Senado, como seu colega do Pará, e foi reeleito em 2010. Com o novo mandato entendeu que estava pronto para conhecida empreitada e voltou à presidência do Senado em 2013. Parece que nem seus pares têm memória. No Senado, os dois ficam até 2018.

As coincidências poderiam estacionar por aqui, mas existe mais uma coisa que liga esses políticos e essas cidades. No final de agosto, de acordo com o Ibope, Helder Barbalho (PMDB) estava empatado em primeiro lugar com o atual governador do estado Simão Jatene (PSDB) na corrida pelo executivo estadual. Renan Calheiros Filho, de legado familiar e pessoal que o vende como novidade em Murici – conforme matéria de Ricardo Brandt no Estadão de 14 de setembro de 2014 -, liderava com folga a corrida para o governo estadual no começo de setembro de acordo com o mesmo Ibope. Para completar as coincidências: ambos têm em suas chapas o apoio do PT. Mas esse é o preço esperado dos acordos federais. Um apoio lá, em troca de um apoio cá e outro acolá. Algo absolutamente comum entre as legendas brasileiras. Tão comum quanto perpetuarmos figuras cujas famílias estão envolvidas em corrupção no poder. E viva Ananindeua, viva Murici. O Brasil é assim, o Brasil é lá, o Brasil é aqui (só pra fazer uma rima ao estilo Carlinhos Brown, garoto propaganda da midiática Justiça Eleitoral).

Ler post
sexta-feira 19/09/14 08:00

Em ano de eleição, tudo é ‘eleitoral’? Nem tanto…

foto

‘Vermelho das ciclovias de São Paulo não é propaganda do PT’. Assim decidiu o Tribunal Regional Eleitoral diante de uma representação contra o prefeito Fernando Haddad movida pelo candidato a deputado estadual do PSDB Joseph Jo Raymond Diwan. O procurador eleitoral auxiliar Paulo Thadeu Gomes cita, no parecer da Procuradoria Regional Eleitoral, uma resolução do Contran, de 2007, que adota o vermelho como padrão para demarcar ciclovias e ciclofaixas. Na semana passada, falei aqui sobre o caso da cidade de Barrinha, ...

Ler post
quarta-feira 17/09/14 11:56

O município de Aécio Neves

Aécio promete apresentar um programa de governo “antes da eleição”. A estratégia é compreensível. O candidato prefere captar opiniões e sugestões durantes o período de campanha eleitoral, para apresentar o programa quando estiver na reta final. Enquanto isso, vai soltando suas propostas e ideias nos eventos de campanha, na TV, no rádio e resumindo tudo no site e nas redes sociais. O problema é que fica difícil tentar entender as sugestões práticas da coligação para o fortalecimento do município brasileiro e ...

Ler post
sexta-feira 12/09/14 08:00

O fim do ‘vermelho, vermelhaço, vermelhusco…’ em Barrinha (SP)

brasao_barrinha620

Logo que ocupou a cadeira de prefeito de Barrinha, no interior paulista, Mituo Takahashi decidiu dar um ‘up’ na cara da cidade e pintou os muros de todos os prédios públicos de vermelho - a cor do seu partido, PT. Agora, graças à intervenção do Ministério Público do Estado, o prefeito terá de repintar tudo, mas com cores diferentes. O prefeito de Barrinhas mandou pintar os bancos das praças, guias, sarjetas, postes, pontos de ônibus, etc, etc, etc, assim que tomou ...

Ler post
quarta-feira 10/09/14 11:20

Marina e o novo federalismo

Todos já conhecem o começo da história. A Constituição de 1988 reconheceu o município como ente federativo, atribuiu muitas responsabilidades e obrigações às Prefeituras, mas continuou concentrando a maior parte das receitas nas mãos da União. O programa de Marina Silva, candidata do PSB à Presidência da República discute o assunto em cinco de suas 240 páginas. E vai muito bem no que diz respeito à análise do problema. Vai bem porque reconhece esta realidade e não foge às mesmas ...

Ler post
segunda-feira 08/09/14 08:15

Por uma nova política

Se o resultado das eleições desse ano passam pela compreensão do que representa “fazer uma nova política” posso garantir que deveríamos incluir nas reflexões o sentido de pensarmos em novos eleitores/cidadãos. Isso não representa dizer que vamos mandar gente embora do processo, mas certamente os brasileiros também precisam mudar de postura diante da política. Digo em palestras que o Congresso Nacional, por exemplo, é um espelho bastante fiel daquilo que graça em termos de valores na nossa sociedade. Por vezes ...

Ler post