1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Quem Faz

HUMBERTO DANTAS Cientista social, doutor em ciência política, professor do Insper e da FESP-SP, e colunista da Rádio Estadão. EDER BRITO Jornalista, mestre em administração pública, servidor público em São Paulo e coordenador de projetos da Oficina Municipal. CAMILIA TUCHLINSKI Jornalista, radialista, apresentadora e repórter da Rádio Estadão. Cobre assuntos gerais. Observadora e curiosa sobre a política nacional.
quarta-feira 30/10/13 14:15

Legislativo que deixa marcas

Por Eder Brito Tente adentrar a Câmara Municipal de Suzano, município da Grande São Paulo e encontrar o gabinete do Vereador Marcos Antônio dos Santos, eleito pelo PTB. Você provavelmente vai encarar uma sequência de informações desencontradas, até perceber que a figura política em questão atende por outros três nomes: Maizena Dunga Vans. O apelido original é o primeiro, referência à famosa marca de amido de milho. Na infância, o vereador era o mais “branquinho” entre todos os amigos que jogavam ...

Ler post
segunda-feira 28/10/13 12:00

Que país é esse?

A bandeira é vermelha, amarela e azul. Seu território fica localizado na América do Sul. Lá não existiam candidatos do PT e tampouco do PSDB nas eleições locais. Sequer apoio aos pretendentes essas legendas ofertavam formalmente. Em eleições passadas verificamos crimes como o assassinato. A terra tem marcas de violência em sua história. Que lugar é esse? Não estamos falando da Venezuela, tampouco do Equador. O governo de nosso objeto de análise está nas mãos de um partido classificado pela ...

Ler post
sexta-feira 25/10/13 08:58

Problemas “elefânticos”

Quem olha para o mapa do estado do Rio Grande do Norte percebe a figura de um elefante. As costas seriam, literalmente, a costa. A cabeça aponta para o interior, mais especificamente para o Ceará, o papo e a barriga ficam voltados para a Paraíba. E simbolicamente, tão grande quanto esse proboscídeo e suas cinco toneladas é o desafio dos municípios potiguares, e brasileiros em geral, quando o assunto é o “esvaziamento financeiro das prefeituras”. O tema tem sido debatido ...

Ler post
quinta-feira 24/10/13 10:13

Só Sorrisos

Por Eder Brito

Fábio Dadalt Pedrotti acorda cedo. O estudante está devidamente matriculado no segundo ano do ensino médio e tem a rotina típica de um adolescente pré-vestibulando de 16 anos: vai à aula, estuda com afinco (já vislumbrando o temido ENEM), frequenta a academia de ginástica, assiste televisão e… preside sessões no plenário da Câmara Municipal, sede do poder legislativo de sua cidade.

Fábio foi eleito presidente da Câmara Estudantil de Sorriso, município produtor de soja no oeste mato-grossense. A Câmara surgiu em maio de 2013, instituída pela Prefeitura para estimular a cidadania e a consciência política de jovens estudantes, aproximando o poder legislativo da garotada e apresentando respostas a uma questão que normalmente tira o sorriso do rosto e deixa muito marmanjo democrata perdido: o que faz um vereador afinal?

Do alto dos 16 anos de idade, Fábio e outros 10 alunos de escolas sorrisenses já aprenderam e já podem ajudar vários adultos a responderem a pergunta. Depois de empossados, os 11 vereadores titulares da Câmara Estudantil já realizaram três sessões ordinárias, em pouco menos de um mês. Na última sessão, em 16 de outubro, a produção legislativa foi melhor do que muita Câmara Municipal por aí: já aprovaram vagas de estacionamento para pessoas com deficiência e coleta de lixo eletrônico em escolas municipais. Todos os pedidos aprovados nas sessões da Câmara Estudantil são oficialmente encaminhados para as autoridades municipais competentes. Bom motivo para sorrir.

E as demandas por lá não são simples. Com mais de 80 mil habitantes, Sorriso é uma das maiores produtoras de soja do mundo. “Capital nacional do agronegócio” sedia empresas de vários segmentos e tem uma receita municipal muito boa se comparada à maioria dos municípios brasileiros. E problemas proporcionais de cidades com este porte, que de vez em quando eliminam os sorrisos estampados no rosto do munícipe. Quando acontece, chega a hora de recorrer aos vereadores-mirins. “O povo já me reconhece na rua, interage e me chama de vereador estudante! Procuro ouvir todo mundo, mesmo nas semanas em que não temos sessões ordinárias.”, relata.

Já com o título de eleitor em mãos para as eleições de 2014, Fábio assume o discurso sério, polido e politizado, com um tom de autoridade municipal na hora de analisar o cenário local e as possibilidades e destaques da política nacional. Elogia o mandato do presidente Juscelino Kubitschek (!!!), diz que gosta muito do trabalho do Senador Pedro Taques e enaltece elegantemente o trabalho de Jane Delalibera, vereadora do município, “colega de casa”.

O garoto ainda confessa que já está sendo “procurado” por partidos políticos da cidade, legendas que já enxergaram o potencial do futuro líder juvenil. “Quero seguir na carreira política”, afirma. Já foram dois convites oficiais e várias “conversas”. Termina o papo invocando a Constituição Federal. “Todo poder emana do povo”, lembra, no meio do discurso final. E certamente emana com mais força e de maneira muito mais interessante quando emana de um grupo de 11 adolescentes.

Por último e nenhum pouco menos importante: Fábio foi eleito representante municipal por 1500 alunos da Escola Estadual Mário Spinelli. Fábio Gavasso, do PPS, por sua vez, foi o vereador mais votado dentre os 11 “vereadores oficiais” da cidade. Recebeu 1398 votos.

E a democracia sorri.

Ler post
segunda-feira 21/10/13 11:00

O perdedor solitário

Cresci ouvindo que para Nelson Rodrigues toda unanimidade é burra. Mais velho entendi a sentença e percebi que o conceito é quase o avesso do que entendemos hoje em dia por democracia, que pressupõe debate, discordância, contraponto e coisas do tipo. É natural, no entanto, que a unanimidade exista em algumas ocasiões. Mas ela é exceção, e na política democrática é corpo estranho.   A despeito de tais reflexões, em pleno sertão paraibano encontramos o município de São Domingos de Pombal. Pouco ...

Ler post
sexta-feira 18/10/13 20:12

Um ‘clássico’ eleitoral

Conflitos políticos podem ser associados a cores. Partidos têm códigos cromáticos. Por exemplo: sabemos que o PT e o PSB são vermelhos, que o PSDB é amarelo, e que o PV tem verde até no nome. Sabemos, inclusive, que ideologicamente isso faz sentido: liberais são azuis e socialistas vermelhos, ou se preferirmos, direita e esquerda são pintáveis sob tal lógica cromática.   Diante de tais aspectos, em setembro de 2012 causava surpresa aos forasteiros o fato de a cidade mineira de Pouso ...

Ler post
segunda-feira 14/10/13 11:00

Soldado Cabelo Duro! Regimento dos espertos!

Lula adora falar dos milagres que realizou. Sobre o Bolsa Família diz que a imprensa o acusa de criar um “exército de vagabundos”, que subsidiado pelo governo não tem interesse em trabalhar. Não generalizemos assim. É claro que em meio aos inscritos deve haver quem não tem interesse em suar a camisa na labuta. Mas é fato que esse tipo de política, iniciada no governo do PSDB e estendida sob o PT carrega muitos aspectos positivos. Entre eles está servir ...

Ler post
sexta-feira 11/10/13 12:05

Da ignorância de pedras e amebas

Quando o vice-presidente nacional do PSB, Roberto Amaral, declarou no início do ano que a Rede Sustentabilidade de Marina Silva era um grupo “fundamentalista, religioso e preconceituoso”, logo pensei: por que ele afirma isso? Com base no que? Como um homem que sofreu tanto com perseguições históricas a seu caráter comunista pode carregar tamanho volume de intolerância? Seria o peso da crítica marxista à religião que o cega desse modo? Não! Impossível que o marxismo tenha tamanho peso no PSB. ...

Ler post
quarta-feira 09/10/13 12:48

Presidente Médici: defendendo o Brasil

Por Eder Brito Presidente Médici continua defendendo o Brasil. O nome aqui, na verdade, não se refere a Emílio Garrastazu, o 28º presidente do país, um dos mais “linha-dura” durante o Regime Militar. A denominação é uma homenagem ao falecido General, nome escolhido para o município de Rondônia que foi fundado em junho de 1981, apenas sete anos após o final do mandato de Médici, ainda durante a Ditadura. A história da defesa, no entanto, é séria: o município está na região ...

Ler post