Vereadores de Foz recebiam mensalinho, diz PF

Vereadores de Foz recebiam mensalinho, diz PF

Operação Nipoti, quinta fase da Pecúlio, prendeu 12 dos 15 vereadores da cidade paranaense por suspeita de desvio de recursos públicos e recebimento de até R$ 10 mil mensais

Fausto Macedo e Julia Affonso

15 Dezembro 2016 | 12h35

Foto: PF

Foto: PF

Doze vereadores de Foz do Iguaçu (PR) foram presos nesta quinta-feira, 15, por suspeita de recebimento de um mensalinho. Os valores oscilavam entre R$ 5 mil e R$ 10 mil, segundo informou a Polícia Federal. Entre os presos está o presidente da Câmara, Fernando Duso (PT).

As informações foram levantadas na Operação Nipoti, quinta fase da Pecúlio – investigação sobre desvios de recursos públicos no âmbito da Câmara de Foz.

A PF constatou que os vereadores não eram beneficiados apenas com depósitos mensais. Eles também tinham ‘poderes’ para indicar apadrinhados para cargos em comissão e para assumir vagas em empresas que prestavam serviços terceirizados.

A nova etapa da Operação Pecúlio foi deflagrada a partir de informações reveladas pelo ex-diretor de Obras e Pavimentação de Foz, Girnei Azevedo, que fechou acordo de delação premiada. Ele é suspeito de cobrar propinas de empreiteiras.

A Procuradoria da República atribui ao prefeito afastado Reni Pereira (PSB) envolvimento com o esquema.

A Operação Nipoti cumpriu 78 mandados judiciais, dos quais 20 de prisão preventiva que atingem quase toda a Câmara de Foz- dos seus 15 vereadores, 12 são alvos dos mandados.

Mais conteúdo sobre:

Operação Pecúlio