1. Usuário
Fausto Macedo
Assine o Estadão
assine
Fausto Macedo

Fausto Macedo

Repórter

EM ALTA

João Vaccari Neto

Vaccari fica em silêncio, outra vez, diante de Moro

Por Ricardo Brandt e Julia Affonso

25/01/2016, 18h21

   

Ex-tesoureiro do PT chegou à Justiça Federal no Paraná escoltado pelo 'Japonês da Federal', mas não quis responder perguntas do juiz da Lava Jato

João Vaccari Neto chega a seu interrogatório na Lava Jato. Foto: Paulo Lisboa/Brazil Photo Press

João Vaccari Neto chega a seu interrogatório na Lava Jato. Foto: Paulo Lisboa/Brazil Photo Press

O ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto ficou em silêncio nesta segunda-feira, 25, frente a frente com o juiz federal Sérgio Moro, o magistrado da Operação Lava Jato.

Réu na ação penal da Operação Pixuleco – desdobramento da Lava Jato cujo alvo maior é o ex-ministro José Dirceu (Casa Civil/Governo Lula) -, Vaccari é acusado por corrupção e lavagem de dinheiro.

Na audiência o petista poderia apresentar sua versão a Moro e ao Ministério Público Federal. Mas, como em outras ocasiões, permaneceu calado.

“Por orientação dos meus advogados, vou me manter calado”, afirmou.

Moro perguntou se ele não responderia a questões do juízo. “Vou me manter calado, nenhuma pergunta.”

Vaccari chegou à Justiça Federal no camburão da Polícia Federal escoltado pelo ‘Japonês da Federal’, agente da PF que virou marchinha de carnaval porque sempre aparece ao lado dos prisioneiros da Lava Jato.

O ex-tesoureiro do PT já está condenado na Lava Jato. Em outra ação criminal ele pegou 15 anos de prisão. Segundo a acusação, ele recebeu pelo menos R$ 4,26 milhões em propinas para o partido, oriundas de contratos superfaturados de empreiteiras com a Petrobrás – a Procuradoria sustenta que empresas deram o dinheiro ao então tesoureiro do PT na forma de doação eleitoral legal.

 

 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.