Vaccari diz que acusação de Janot é ‘improcedente’

Vaccari diz que acusação de Janot é ‘improcedente’

Ex-tesoureiro do PT declarou, por meio de sua defesa, que 'cumpriu seu papel de solicitar doações legais destinadas ao partido, as quais sempre foram depositadas na conta bancária da agremiação, com prestação de contas às autoridades'

Luiz Vassallo e Julia Affonso

06 Setembro 2017 | 18h10

João Vaccari Neto. Foto: Reprodução

O ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto declarou nesta quarta-feira, 6, por meio de sua defesa, que a acusação do procurador-geral da República – imputando a ele organização criminosa – ‘é totalmente improcedente’. Em nota, o criminalista Luiz Flávio Borges D’Urso, defensor de Vaccari, se referiu à acusação como ‘surpreendente denúncia’.

Na terça-feira, 5, Janot entregou ao Supremo Tribunal Federal denúncia formal contra o ‘quadrilhão’ do PT, envolvendo os ex-presidentes Lula e Dilma, cinco ex-ministros petistas (Antônio Palocci, Guido Mantega, Edinho Silva, Paulo Bernardo e Gleisi Hoffman) e o próprio Vaccari.

O procurador pediu a condenação de todo o grupo alegando que eles formaram uma organização criminosa para desvios de recursos públicos entre 2002 e 2016.

D’Urso é taxativo. “O sr. Vaccari, enquanto tesoureiro do PT, cumpriu seu papel, de solicitar doações legais destinadas ao partido, as quais sempre foram depositadas na conta bancária partidária, com respectivo recibo e a prestação de contas às autoridades competentes, tudo dentro da lei e com absoluta transparência.”

O advogado assinalou que Vaccari ‘continua confiando na Justiça brasileira e tem convicção de que as acusações que lhe são dirigidas haverão de ser rejeitadas’.