1. Usuário
Fausto Macedo
Assine o Estadão
assine
Fausto Macedo

Fausto Macedo

Repórter

EM ALTA

Operação Lava Jato

‘Uai, será que usaram meu nome nesse trem?’, diz capoteiro intimado por engano na Lava Jato

Por Julia Affonso

07/03/2016, 21h08

   

Jorge Washington Blanco, que reside em Belo Horizonte, foi confundido com alto executivo ligado ao Banco Schahin arrolado como testemunha de acusação do pecuarista José Carlos Bumlai, amigo de Lula

Capoteiro foi chamado por engano para depor na Lava Jato. Foto: Reprodução

Capoteiro foi chamado por engano para depor na Lava Jato. Foto: Reprodução

Na última sexta-feira, o capoteiro Jorge Washington Blanco, de 55 anos, ficou frente a frente com o juiz federal Sérgio Moro, que conduz as ações da Operação Lava Jato. Por engano.

O homônimo Jorge Blanco foi intimado para depor como testemunha de acusação contra o pecuarista José Carlos Bumlai, amigo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A força-tarefa da Lava Jato procurava um executivo que seria ligado ao Banco Schahin. Segundo um dos defensores presentes na audiência, ‘um uruguaio ou argentino’.

“Uai, eu fiquei meio assim, falei: será que usaram meu nome nesse trem? Eu nunca me envolvi com nada errado. De uma hora pra outra aparece negócio de Lava Jato, coisa que eu vejo falar na televisão”, disse.

Diariamente, entre 11h30 até 18h30, o capoteiro trabalha em uma loja em Belo Horizonte com capota e estofamento. Casado, com dois filhos, Jorge Blanco disse que um deles pensou que a intimação para comparecer à Justiça Federal, em Minas, se tratasse de uma brincadeira. “Um deles falou: isso é negócio que põe na internet, o pessoal fica brincando. Eu falei: comigo não foi brincadeira, não. O rapaz trouxe a intimação, olha aqui.”

Em videoconferência, Jorge Blanco respondeu a todas as perguntas. Nesta entrevista, também. À reportagem, Jorge Blanco explicou, com muito bom humor, o depoimento à maior investigação contra a corrupção do País.

“Fui sozinho (para a audiência). Pensei: pode ser um nome parecido. Moro em Belo Horizonte, nunca viajei para Curitiba, nunca saí daqui”, afirmou o capoteiro, se referindo a cidade base da Operação Lava Jato. “Esse juiz… Como é mesmo que ele se chama? É Sérgio… Eu falei que eu era capoteiro, ele ficou rindo.”

A ÍNTEGRA DA ENTREVISTA COM O CAPOTEIRO JORGE BLANCO

ESTADÃO: Chamaram o sr para depor por engano?

JORGE WASHINGTON BLANCO: Me chamou lá, fez um ‘cado’ de pergunta de uns negócios que eu nunca tinha ouvido falar, de banco, um cara que eu nunca ouvi falar nele. Me perguntaram a profissão, aí falou que podia acabar as perguntas. Falou que eu estava liberado. Ficaram foi rindo porque viram que a minha profissão era totalmente diferente da que eles estavam querendo.

ESTADÃO: O que o sr pensou quando recebeu a intimação?

JORGE WASHINGTON BLANCO: Uai, eu fiquei meio assim, falei: será que usaram meu nome nesse trem? Eu nunca me envolvi com nada errado. De uma hora pra outra aparece negócio de Lava Jato, coisa que eu vejo falar na televisão.

ESTADÃO: O sr trabalha como capoteiro há quantos anos?

JORGE WASHINGTON BLANCO: Ah, desde menino, desde criança.

ESTADÃO: Quando recebeu o papel?

JORGE WASHINGTON BLANCO: Semana retrasada. Inclusive, foi até um amigo meu, ele é oficial de Justiça. Ele entregou, eu achei que ele estava brincando. Falou: isso aqui é aquele negócio da Lava Jato, daquele Cerveró, da Petrobrás. Eu falei: ‘que que é isso?’. Eu achei que era brincadeira. Mas depois vi que era um negócio mais sério. Falei: Não vou deixar de ir lá, não, porque eu tenho nada de errado. Tenho que ir lá ver o que é isso.

ESTADÃO: O sr estava chegando em casa?

JORGE WASHINGTON BLANCO: Ele chegou, eu estava guardando o carro na garagem. Inclusive, o irmão desse cara, eu conheço há muito tempo. Eu tinha passado em um supermercado em BH e encontrei o irmão dele lá. Perguntei por ele (o oficial de Justiça) e. por coincidência, ele mesmo é que foi levar a intimação para mim. Falei com ele: encontrei seu irmão agora, perguntei por você. Ele falou: eu vim trazer a intimação para você. Eu vi que saiu na internet a videoconferência. Para você ver que não é brincadeira. Tem alguém com esse mesmo nome meu?

ESTADÃO: Acho que tem.

JORGE WASHINGTON BLANCO: Agora que eu estou lembrando. Eu vi na internet que tem um Jorge Washington Blanco Boccoli. Esse juiz… Como é mesmo que ele se chama? É Sérgio…

ESTADÃO: Moro.

JORGE WASHINGTON BLANCO: Eu falei que eu era capoteiro, ele ficou rindo.

 

 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.