1. Usuário
Fausto Macedo
Assine o Estadão
assine
Fausto Macedo

Fausto Macedo

Repórter

EM ALTA

Operação Lava Jato

Topógrafo diz que mudou às pressas área de sítio usado por Lula, em 2015

Por ricardo brandt, fausto macedo e ricardo galhardo

08/02/2016, 05h00

   

Responsável por mapas de propriedade rural, em Atibaia (SP), investigada pela Lava Jato por obras de empreiteiras, revelou ao 'Estado' que Roberto Teixeira, compadre do ex-presidente, pediu serviços 'para ontem'

 

Vista do Sítio Santa Bárbara, em Atibaia (SP). FOTO: MÁRCIO FERNANDES/ESTADÃO

Vista do Sítio Santa Bárbara, em Atibaia (SP). FOTO: MÁRCIO FERNANDES/ESTADÃO

O topógrafo Claudio Benatti, identificado pela Polícia Federal como responsável pelas medições e plantas do Sítio Santa Bárbara – usado pela família do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva -, afirmou ao Estado que no final de 2015 foi chamado, às pressas, para uma alteração da área, que fica na zona rural de Atibaia, interior de São Paulo. A mudança teria ocorrido simultaneamente à força-tarefa da Operação Lava Jato determinar as primeiras investidas para apurar se obras realizadas na propriedade, entre 2010 e 2011, tiveram a participação de empreiteiras acusadas de cartel e corrupção na Petrobrás – entre elas a OAS e a Odebrecht.

Benatti afirmou em entrevista ao Estado que o advogado Roberto Teixeira, compadre do ex-presidente Lula, era quem indicava os serviços a serem feitos no sítio de Atibaia, apesar de o imóvel estar registrado em nome dos empresários Jonas Suassuna e Fernando Bittar – filho do ex-prefeito de Campinas Jaco Bittar (PT). Os dois são sócios de um dos filhos de Lula.

“Eu fiz a topografia do sítio, fiz o levantamento (em 2010) e agora fiz uma planta de desmembramento de uma gleba de 30 mil, está fazendo mais ou menos um mês e meio, no mesmo sítio”, afirmou Benatti, na entrevista dada no dia 12 de janeiro. “É um desmembramento para esse Suassuna que parece que ele comprou 30 mil metros do vizinho.” Nem no Cartório de Registro de Imóveis de Atibaia, nem na prefeitura local, constam alterações recentes na área do sítio.

“O que ele queria desmembrar era 30 (mil metros quadrados), só que uma matrícula separada no cartório. Pode ser que ele não anexe no outro. Então ele fica com aquele imóvel que ele já tinha e esses 30 mil com outro nome.” Benatti diz ter estranhado a pressa. “Ele pediu para eu fazer urgente, urgentíssimo, para ontem. Eu corri que nem louco”, conta.

A Polícia Federal investiga qual alteração foi realizada no registro da propriedade, após ser tornada pública as investigações sobre o sítio.

“Eu fiz esse desmembramento até estranhando (…), porque eu fiz tudo no CAD (programa de computador), aí eu teria que ir lá e marcar a divisa para o comprador, talvez seja ele. Só que aí, o Roberto não ligou para mim: ‘ó, você precisa marcar a divisa lá’.”

O topógrafo diz ter feito a mudança às pressas: “Eu sei que foi uma loucura”. “Passei para ele, assinou e aprovou, eu fiz planta e memorial. E mandei por e-mail, planta e memorial”.

Sob suspeita. A Operação Lava Jato investiga qual a relação da OAS e da Odebrecht – duas das líderes do cartel que fatiava obras na Petrobrás – com a reforma executada no local, em 2011, supostamente como compensação por contratos no governo – em especial, na Petrobrás.

Benatti disse ao Estado que “todos os serviços que foram executados” por ele de topografia “sempre foram o Roberto Teixeira”.

A Lava Jato passou a investigar a obra no sítio Santa Bárbara, após a informação da revista Veja de abril de 2015 que a propriedade teria passado por uma grande reforma, em 2011, executada pela OAS, após um pedido feito por Lula ao ex-presidente da empreiteira José Aldemário Pinheiro, o Léo Pinheiro – um dos empreiteiros presos em novembro de 2014. Uma ex-dono de loja de material de construção citou também a Odebrecht. Procuradores da Lava Jato já ouviram testemunhas em Atibaia e analisam notas fiscais de produtos vendidos para a reforma do sítio.

Compadre do Lula. Padrinho de um dos filhos de Lula e defensor jurídico da família, Roberto Teixeira foi apontado pelo topógrafo do sítio Santa Bárbara, em entrevista ao Estado, como responsável por sua contratação, em 2010. Na ocasião, Benatti afirmou: “Quem indicou tudo, que arrumou para eu fazer o serviço lá foi o Roberto Teixeira. Que é o advogado que é o compadre do Lula”.

“Eu fui lá fazer um serviço. Eu fiz a topografia do sítio, fiz o levantamento.” Depois de falar ao Estado, no dia 12 de janeiro, em conversa gravada pela reportagem, o topógrafo se recusou a atender aos telefones para dar mais detalhes sobre as alterações na área feitas em 2015. Segundo ele, suas declarações ao jornal geraram “problemas”.

Benatti está na lista de interrogados da PF, dentro das investigações que apuram as obras e a propriedade do Sítio Santa Bárbara. Uma das frentes foca qual a participação do compadre de Lula com o sítio. O topógrafo mora em Monte Alegra do Sul, cidade do interior de São Paulo onde Roberto Teixeira também tem um sítio. É de lá que Benatti diz conhecer o compadre de Lula. “Roberto Teixeira eu conheço ele desde 1972. Ele tem sítio aqui em Monte Alegre. Foi aqui que o Lula vinha tomar as pingas dele, em Monte Alegre.”

O topógrafo afirma que guarda os mapas dos serviços prestados em Atibaia. “Eu faço serviço para o Roberto Teixeira há uns 40 anos. É conheci ele de muito tempo, acho que bem antes dele conhecer o Lula.” Quanto a sua participação no Sítio Santa Bárbara, em Atibaia, Benatti afirmou: “Todo serviço foi sempre o Roberto que pediu”.

Na quinta-feira, 4, o Estado revelou que a compra da propriedade rural foi formalizada no escritório de Roberto Teixeira, em São Paulo. Por R$ 1,5 milhão, o sítio tem 173 mil metros quadrados e foi completamente reconstruído, após sua aquisição no final de 2010.

Confiança. Teixeira disse estar “perplexo” em saber pela imprensa que sua relação com a compra do sítio é investigada pela Lava Jato. “Apenas prestei assessoria jurídica, em 2010, a Fernando Bittar e Jonas Suassuna, compradores do referido imóvel e meus clientes, na celebração do Instrumento Particular de Compra e Venda e da lavratura da escritura.”

Segundo Teixeira informou por meio de nota, ele indicou “o engenheiro agrimensor para conferir a delimitação física da propriedade, profissional que comumente recomendo para trabalhos semelhantes”.

“O profissional (Benatti) já esclareceu que é indicado pelo escritório para assuntos relacionados à medição de terras, matéria na qual é especialista.”

Questionado na semana passada pelo Estado qual a participação de Roberto Teixeira na compra do imóvel, ele respondeu por assessoria de imprensa que “nenhuma”. “O escritório limitou-se à assessoria jurídica aos compradores.”

Jonas Suassuna, procurado por meio de seu advogado Wilson Pimentel, não foi localizado. A reportagem não encontrou Fernando Bittar.

(Visited 11 time, 1 visit today)

 

 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.