Temer vai a Janot contra Joesley por ‘ladrão-geral da República’

Temer vai a Janot contra Joesley por ‘ladrão-geral da República’

Advogado do presidente diz que empresário 'ofendeu não só a pessoa física como a instituição Presidência' ao declarar que peemedebista 'envergonha todos os brasileiros'

Julia Affonso e Luiz Vassallo

04 Setembro 2017 | 14h27

Michel Temer. Foto: Dida Sampaio/Estadão

O presidente Michel Temer decidiu apelar ao procurador-geral da República Rodrigo Janot contra Joesley Batista, por quem alega ter sido ‘ofendido’.

Depois que o Palácio do Planalto emitiu nota na sexta-feira, 1, dizendo que o dono da JBS é ‘grampeador-geral da República,’ o empresário também divulgou texto em que chamou Temer de ‘ladrão-geral da República’ e, ainda, que o presidente ‘envergonha’ todos os brasileiros’.

“Estou indignado”, declarou nesta segunda-feira, 4, o criminalista Antônio Cláudio Mariz de Oliveira, defensor do presidente. “Vamos tomar providências imediatamente, primeiro junto ao procurador-geral que não pode permitir que um homem subjudice saia ofendendo não só a pessoa física do presidente como a própria instituição da República. É mais um acinte à Justiça.”

OUTRAS DO BLOG: + ENTREVISTA: ‘O que está em jogo não é ministro Gilmar ou o MP, é a credibilidade do Poder Judiciário’

“Sinto que a gente vai ganhar dinheiro pra caramba”, disse aliado de Richa, segundo delator

PF abre Operação Brabo para prender 127 do tráfico

Delator revela R$ 12 milhões desviados de obras para campanha de Richa

Lava Jato é a ‘revolução copérnica da Justiça criminal’

“Esse homem (Joesley) já recebeu vergonhosos benefícios e está agora tendo garantias para falar o que quer, de quem quer, a hora que quer. Também vamos peticionar ao ministro Edson Fachin (relator do caso JBS no Supremo Tribunal Federal), que homologou a delação, para que tome medidas.”

Temer está em viagem oficial à China. O advogado disse que aguarda apenas a chegada do presidente, prevista para quarta, 6, para protocolar ofício no gabinete de Janot. “O procurador-geral não pode permitir, tem que tomar providências contra um delator que extrapola completamente os limites da sua ação como colaborador de Justiça e parte para ofensas pessoais contra o presidente.”

“Eu entendo que o procurador tem que tomar providências de ofício para punir (Joesley) e proibir qualquer manifestação dele a respeito de terceiros. A menos que o colaborador esteja falando nos autos. Mesmo nos autos ele não pode fazer ofensas. Tem que exercer o seu papel de informante, o qual ele está extrapolando atingindo o presidente da República.”

Na avaliação de Mariz, ‘o grau de impunidade do empresário não pode ser aumentado, não pode atingir níveis maiores que os já alcançados’.

“Trata-se de colaborador que se tornou verdadeiro agraciado por uma indulgência plena, impunidade nunca vista na história da República e que agora se sente absolutamente confortável para ofender o presidente da Rrepública.”