Telefonema avisou PF sobre ‘bunker’ do dinheiro de Geddel

Telefonema avisou PF sobre ‘bunker’ do dinheiro de Geddel

Após ligação, PF fez pesquisa de campo com moradores e confirmou que imóvel era utilizado por uma pessoa para guardar "pertences do pai". Leia decisão do juiz Vallisney de Souza que autorizou a busca no 'bunker'

Fabio Serapião

05 Setembro 2017 | 12h44

Foto: PF

Na decisão em que autorizou a busca e apreensão no imóvel que seria o ‘bunker’ do dinheiro de Geddel Vieira Lima, o juiz Vallisney de Souza Oliveira destaca que a Polícia Federal foi informada sobre a existência do local por meio de uma ligação telefônica. A busca no imóvel foi alvo da nova fase da operação Cui Bonno?, batizada de Tesouro Perdido. Na Cui Bonno? Geddel é investigado por conta de sua atuação enquanto vice-presidente de pessoa jurídica da Caixa.

Documento

“De fato, as mencionadas informações policiais dão conta que o Núcleo de Inteligência da Polícia Federal teria tecido uma notícia por meio telefônico, no dia 14/07/2017, asseverando que no último semestre um apartamento do 2 andar do edifício José da Silva Azi estaria sendo utilizado por Geddel Vieira Lima para guardar caixas de documento”, explica o despacho do juiz federal.

Após a informação dada por telefone, a PF fez um trabalho de pesquisa de campo com moradores do prédio que confirmaram que “uma pessoa teria feito uso do aludido imóvel para guardar pertences do pai”. O trabalho de investigação na PF é conduzido pelo delegado Marlon Cajado.

Ainda em seu despacho, o juiz federal aponta que “há fundadas razões de que no supracitado imóvel existam elementos probatórios da prática dos crimes relacionados na manipulação de crédito e recursos realizada na Caixa”.

Reú. Ex-ministro do governo Michel Temer, Geddel Vieira Lima já é réu em um processo na 10ª Vara de Brasília. Desdobramento da mesma operação Cui Bonno? que deu origem a ação de hoje, a ação penal é pelo suposto crime de obstrução de Justiça praticado pelo peemedebista.

No despacho em que aceitou a denúncia oferecida pelo Ministério Público Federal, o juiz Vallisney de Souza afirmou que “está demonstrada, até agora, a plausibilidade das alegações contidas na exordial acusatória, em face da circunstanciada exposição dos fatos tidos por criminosos e das descrições das condutas em correspondência com os documentos constantes dos autos”.

Para o MPF, Geddel, após a prisão do corretor Lúcio Bolonha Funaro, monitorou e constrangeu a mulher do corretor, Raquel Pitta, com a intenção de “influenciá-lo” a não colaborar com as investigações referentes às operações Cui Bono e Sépsis, que tratam de desvios na Caixa.