Supremo nega recurso de Loubet e ‘PP’

Supremo nega recurso de Loubet e ‘PP’

Por unanimidade, ministros da Segunda Turma rejeitam embargos de declaração das defesas do deputado petista e empresário, acusados por supostos desvios na BR Distribuidora

Luiz Vassallo

20 Setembro 2017 | 05h00

Vander Loubet. Foto: Gilberto Nascimento/Agência Câmara

Por unanimidade, os ministros da Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal rejeitaram embargos de declaração apresentados no Inquérito (INQ) 3990 pelas defesas do deputado federal Vander Loubet (PT-MS), de seu cunhado Ademar Chagas da Cruz e do empresário Pedro Paulo Bergamaschi de Leoni Ramos, o ‘PP’. Os investigados apontavam a existência de supostas ‘ambiguidades, obscuridades, contradições e omissões’ na decisão de julgamento do caso. Também foram rejeitados embargos do Ministério Público Federal.

As informações foram divulgadas no site do Supremo.

Em março, a Segunda Turma recebeu a denúncia contra os três acusados por supostos desvios no âmbito da BR Distribuidora, subsidiária da Petrobrás, objeto de investigação na Operação Lava Jato.

A denúncia foi recebida pelos crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e organização criminosa imputados ao parlamentar e seu cunhado. Quanto a Leoni Ramos, foi excluída a acusação quanto ao delito de organização criminosa, uma vez que ele já é investigado pelo mesmo crime em outro inquérito, mas foi recebida a denúncia contra ele em relação aos dois outros delitos.

O relator do inquérito, ministro Edson Fachin, afirmou que a pretensão da defesa ‘nada mais é do que rediscutir argumentos pelos quais se procurou demonstrar ocorrência de nulidades no procedimento criminal e inconsistência na peça acusatória’.

“Nada obstante, os embargos não se prestam, de modo apto, a este fim”, assinalou o ministro, ao votar pela rejeição do recurso.

O entendimento do relator foi acompanhado pelos demais ministros.

Mais conteúdo sobre:

Vander Loubet