Supremo autoriza reforço da escolta permanente de Fachin

Supremo autoriza reforço da escolta permanente de Fachin

Secretaria de Comunicação Social da Corte informou, em nota, que foi autorizado aumento do número de agentes para garantir segurança do ministro que revelou ao jornalista Roberto D'Ávila, da TV Globo, estar sofrendo ameaças

Teo Cury e Rafael Moraes Moura/BRASÍLIA

27 Março 2018 | 20h06

Ministro Edson Fachin. FOTO: ANDRE DUSEK/ESTADÃO

A Secretaria de Comunicação Social do Supremo Tribunal Federal (STF) informou, por meio de nota, na noite desta terça-feira, 27, que autorizou o aumento do número de agentes para escolta permanente do ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato na Corte.

A presidência do STF reforçou um pedido para que a Diretoria Geral da Corte examine e tome providências para aumento de número de seguranças para a família do ministro em Curitiba, conforme por ele solicitado.

Na nota, a Secretaria de Comunicação Social da Corte informa que também autorizou que o uso de segurança do ministro em Curitiba possa deslocar-se também para acompanhamento de familiares por ele indicados.

Em entrevista ao jornalista Roberto D’Ávila que será exibida esta noite, Fachin relatou estar sofrendo ameaças, dirigidas a ele e a sua família.

A presidência ainda solicitou à Polícia Federal que duas delegadas especializadas em segurança sejam deslocadas para Curitiba. A medida busca verificar quais as melhores e mais eficazes providências deveriam ser tomadas para casos de magistrados ameaçados no País.

+++Rodrigo Maia classifica como grave relato de ameaça a Fachin

Também foi encaminhado um ofício indagando a todos os ministros do STF sobre a necessidade de alteração ou aumento do número de agentes de segurança “para, se for o caso, a tomada das providências cabíveis”. Até a conclusão desta matéria, nenhum ministro havia feito esta solicitação, de acordo com a assessoria do Supremo.