STF arquiva investigação contra parlamentares por cartel de trens

STF arquiva investigação contra parlamentares por cartel de trens

Redação

10 Fevereiro 2015 | 14h49

Atualizada às 15h33

Por Fausto Macedo e Ricardo Chapola

O Supremo Tribunal Federal arquivou nesta terça-feira,10, a investigação sobre o suposto envolvimento de políticos de São Paulo com o cartel metroferroviário. O ministro Luiz Fux, do STF, deu o voto decisivo pelo arquivamento. Ele considerou que não havia ‘justa causa’ para o prosseguimento das investigações.

Luiz Fux. Foto: Ed Ferreira/Estadão

Luiz Fux. Foto: Ed Ferreira/Estadão

A medida livra das suspeitas de ligação como cartel o suplente de senador José Aníbal (PSDB-SP) e o deputado Rodrigo Garcia (DEM-SP), que no governo Geraldo Alckmin ocuparam, respectivamente, as secretarias de energia e desenvolvimento econômico, com o cartel. A investigação foi aberta a partir da delação premiada feita pelo ex-diretor da divisão de transporte da multinacional alemã Siemens, Everton Rheinheimer.

Em depoimento à Polícia Federal, em outubro de 2013, Rheinheimer declarou que parlamentares recebiam propinas de multinacionais. As empresas teriam formado um cartel para assumir o controle de contratos do Metrô e da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM). Ele citou Aníbal e Garcia. Nesta terça-feira, o STF retomou o julgamento que estava empatada em dois votos a dois.

Aníbal, à esquerda, e Garcia. Foto: Montagem Estadão

Aníbal, à esquerda, e Garcia. Foto: Montagem Estadão

COM A PALAVRA, JOSÉ ANÍBAL.

O senador suplente José Aníbal (PSDB-SP) declarou, após o julgamento no Supremo Tribunal Federal, que “vai atrás” do deputado estadual Simão Pedro (PT), secretário municipal de Serviços da gestão Fernando Haddad e do ministro José Eduardo Cardozo (Justiça). O tucano acusa o deputado e o ministro de “denunciação caluniosa”.

Em sua avaliação, Simão Pedro e Cardozo teriam responsabilidade na inclusão de seu nome na investigação da Polícia Federal. Ele também mira o ex-executivo da Siemens, Éverton Rheinheimer, delator do cartel metroferRoviário. “Agora eu vou atrás do Simão Pedro (secretário municipal de Serviços), do José Eduardo (Cardozo, ministro da Justiça)) e do Everton (Rheinheimer). Eu tenho denunciação caluniosa contra os 3. Um forjeou o dossiê ou sabe quem o fez, que é o Simão Pedro. O outro o transportou de forma clandestina. Sem fazer qualquer registro, o José Cardozo. E o outro (Reinheimer) é um belo de um bandido, que apresentou uma calúnia. É lamentável.”

LEIA A ÍNTEGRA DE NOTA OFICIAL DIVULGADA PELO SUPLENTE DE SENADOR JOSÉ ANÍBAL (PSDB-SP)

“Recebi com naturalidade a notícia do arquivamento da investigação pelo STF. A denúncia, ancorada em citações de um documento apócrifo, falso, jamais teve qualquer sustentação factual. O caso, no entanto, não se encerra com o arquivamento.

O “documento” surgiu com o deputado Simão Pedro (PT-SP), entrou no Ministério da Justiça clandestinamente e foi encaminhado à Polícia Federal pelo titular da pasta, José Eduardo Cardozo, desrespeitando procedimentos legais.

Cabe à justiça esclarecer quem são os autores das fraudes documental e processual. Exceto o diretor-geral da Polícia Federal, que agiu com isenção, movo processo contra todos os demais envolvidos: Simão Pedro, Cardozo e Everton Rheinheimer, ex-diretor da Siemens, por denunciação caluniosa.

Foram necessários 447 dias, desde 21 de novembro de 2013, para desmontar esta farsa criminosa contra mim. Agi com determinação e sentido de urgência. Era o que me cabia fazer em respeito aos que me conhecem, aos meus eleitores e à democracia. Não transigi, movido pela convicção de que a justiça prevaleceria.

Enquanto aguardo confiante que a Justiça venha a desmascarar a fraude, continuo a me dedicar integralmente à defesa das práticas democráticas em nosso país, tão deterioradas pela ação do PT e do governo federal.”

COM A PALAVRA, O ADVOGADO ALEXANDRE DE MORAES, DEFENSOR DE RODRIGO GARCIA.

O advogado Alexandre de Moraes – atual secretário de Segurança Pública de São Paulo, -, que defendeu Rodrigo Garcia, declarou. “O Supremo Tribunal Federal confirmou o que desde o início nós afirmávamos sobre a ausência de qualquer indício em relação aos deputados. Todas as diligências necessárias foram realizadas, comprovando que os deputados (Garcia e José Aníbal, hoje senador suplente), em momento algum, participaram do cartel do Metrô.”