Smanio pede delações da Odebrecht sobre Alckmin à Justiça Eleitoral

Smanio pede delações da Odebrecht sobre Alckmin à Justiça Eleitoral

Procurador-geral de Justiça de São Paulo nega 'avocação' de procedimento na área cível e encaminha ofício pedindo 'compartilhamento de provas' na investigação sobre ex-governador pré-candidato à Presidência

Fabio Leite, Luiz Vassallo e Daniel Weterman

10 Maio 2018 | 18h26

FOTO:WERTHER SANTANA/ESTADÃO

O procurador-geral de Justiça de São Paulo, Gianpaolo Poggio Smanio, oficiou à Justiça Eleitoral pedindo o ‘compartilhamento de provas’ envolvendo as delações de executivos da Odebrecht que citam suposto repasse de R$ 10,7 milhões para a campanha do ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB). O chefe do Ministério Público Estadual paulista negou nesta quinta-feira, 10, ter avocado inquérito aberto pela Promotoria de Defesa do Patrimônio Público e Social envolvendo suposto caixa dois ao tucano.

+++Lava Jato em São Paulo quer investigar Alckmin sem foro

+++Procuradoria diz que ‘nada impede’ que Lava Jato em SP investigue Alckmin

+++Ministra do STJ livra Alckmin do rastro da Lava Jato

O inquérito foi instaurado em 20 de abril pela Promotoria de Defesa do Patrimônio Público e Social – braço do Ministério Público paulista que investiga improbidade. Além de Alckmin, são alvo da investigação Adhemar César Ribeiro, cunhado do tucano, e o ex-secretário e ex-tesoureiro da campanha alckmista de 2014 Marcos Monteiro.

+++Alckmin diz que delação da Odebrecht é de ‘natureza eleitoral’ e ‘não tem procedência’

+++Procuradoria pede investigações contra Alckmin, Richa, Marconi, Confúcio e Colombo na primeira instância

+++Inquérito sobre R$ 10,3 mi da Odebrecht para campanhas de Alckmin chega à Procuradoria Eleitoral

Delatores da Odebrecht disseram ter repassado R$ 10,3 milhões a Alckmin por meio de caixa 2 nas campanhas de 2010 e 2014.

Na terça-feira, 8, Smanio solicitou ao promotor Ricardo Manuel Castro ‘remessa imediata’ do inquérito de Alckmin à Procuradoria-Geral de Justiça para que ele possa avaliar se a competência da investigação mudou após o tucano renunciar ao Palácio dos Bandeirantes, no dia 6 de abril, para concorrer ao Planalto.

+++Casos de Alckmin e Richa são rigorosamente distintos, diz vice-PGR

+++França mantém no governo tesoureiro de Alckmin citado na Lava Jato

Em resposta ao procurador-geral, o promotor afirma que é o ‘promotor natural’ do caso e ‘não abdica da sua atribuição’.

Castro diz que o pedido de Smanio ‘equivale a indevida avocação’ do inquérito e solicita ‘urgente restituição’ do processo à sua promotoria. Informa que vai reportar o caso ao Conselho Nacional do Ministério Público para ‘ver o imediato restabelecimento’ de suas prerrogativas funcionais.

Por meio de nota, o Ministério Público Estadual de São Paulo afirmou, nesta quinta, 10, que ‘a Procuradoria-Geral de Justiça solicitou a remessa do inquérito civil instaurado na Promotoria de Patrimônio Público e Social para avaliar e decidir sobre atribuição de atuação referente aos fatos ali mencionados, a partir de provocação pela petição 33.167/2018 em que o ex-governador Geraldo Alckmin alega que o caso se circunscreve à esfere eleitoral e a atribuição para investigar eventual improbidade administrativa é do PGJ’.

“A solicitação de remessa se deu nos termos do artigo 115 da Lei Orgânica do Ministério Público”, justifica.

O Ministério Público ainda ressalta não haver ‘nenhuma decisão firmada de avocação do procedimento supracitado’.

“A definição sobre a atribuição de atuação dar-se-á considerando-se única e exclusivamente o que determina o ordenamento jurídico no que tange à atribuição na fase de investigação, sem guardar relação com dispositivos atinentes ao foro por prerrogativa de função”.

“O Ministério Público de São Paulo informa ainda que a Procuradoria-Geral de Justiça, para melhor avaliação do caso, oficiou nesta quinta à Justiça Eleitoral pedindo o compartilhamento de provas”, conclui.

Alckmin nega recebimento de qualquer recurso ilícito. Monteiro diz que a gestão financeira da campanha de 2014 foi legal. Adhemar Ribeiro não se manifestou.

Embora tenha pedido ao procurador-geral que o inquérito não fosse conduzido pela Promotoria do Patrimônio Público e Social, Alckmin disse nesta quinta-feira, 10, que não se preocupa com a investigação por improbidade administrativa relacionadas à delação da Odebrecht.

“Para mim não tem problema, eu nem foro privilegiado tenho”, disse o tucano durante visita uma feira do setor supermercadista na capital paulista. “Sou contra essa coisa de privilégio, já prestei contas e se precisar a gente presta de novo, nenhum problema.”