‘Se eles não me prenderem logo, quem sabe eu mando prendê-los’, diz Lula

‘Se eles não me prenderem logo, quem sabe eu mando prendê-los’, diz Lula

Em pronunciamento no 6º Congresso do PT, ex-presidente reage às acusações de delatores, executivos e agentes públicos - como Renato Duque, que lhe atribuiu papel de 'comandante' do esquema de corrupção na Petrobrás

Fausto Macedo e Luiz Vassallo

06 Maio 2017 | 05h00

NELSON ALMEIDA/AFP

O ex presidente Lula desafiou seus algozes da Lava Jato que, em delações premiadas, o têm acusado de envolvimento com o escândalo Petrobrás.

“O PT perdeu grandes cidades e as manchetes dos jornais desse país diziam que o PT acabou. Essas mesma imprensa que diz que o PT acabou, dizia todos os dias: ‘amanhã, o Lula vai ser preso. Amanhã , prenderam tal empresário, ele vai delatar o Lula. Faz dois anos que eu ouço isso. E, se eles não me prenderem logo, quem sabe, um dia, eu mando prendê-los logo pelas mentiras que eles contam”.

Lula provocou quem o acusa em pronunciamento na abertura do 6º Congresso do PT em São Paulo na noite desta sexta-feira,5.


Ele não citou nomes, mas seu recado era dirigido a investigados da Lava Jato que nos últimos dias têm declarado ao juiz Sérgio Moro que o petista teve papel decisivo no esquema de corrupção instalado na Petrobrás durante seus governos (2003-2010).

Horas antes de Lula desafiar ‘eles’, o ex diretor de Serviços da estatal Renato Duque afirmou a Moro que o ex-presidente foi o ‘comandante’ a rede de malfeitos instalada na Petrobrás.

Lula também afirmou já ter prestado seis depoimentos, mas que os investigadores ‘não querem a verdade’. “Eles tiraram o conceito desse país, que eu não vou dizer pra vocês orque eu quero dizer o meu depoimento, que não tem argumento. Eles têm a tese pronta. O PT é uma organização criminosa, o Lula montou um governo para roubar até depois que ele saísse. Portanto, ele é o chefe ele tem que saber de tudo”.