Rosinha deixa a prisão

Rosinha deixa a prisão

Por decisão do Tribunal Regional Eleitoral do Rio, ex-governadora do Estado foi solta com tornozeleira eletrônica

Julia Affonso

30 Novembro 2017 | 10h15

Rosinha Garotinho. Foto: José Lucena/Futura Press/Estadão Conteúdo

A ex-governadora do Rio Rosinha Garotinho (PR) deixou a cadeia na madrugada desta quinta-feira, 30. O Tribunal Regional Eleitoral do Rio (TRE-RJ) decidiu em sessão plenária na quarta-feira, 29, manter a prisão preventiva do ex-governador do Rio Anthony Garotinho (PR) e determinou o monitoramento eletrônico de Rosinha.

Presidente do PR vai para mesma prisão de Cabral e Garotinho

A Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) informou que Rosinha deixou a cadeia com tornozeleira eletrônica.

O casal havia sido preso preventivamente em 22 de novembro por decisão do Juízo da 98ª Zona Eleitoral, de Campos dos Goytacazes. Garotinho é acusado de receber uma doação simulada ilegal de R$ 3 milhões para sua campanha eleitoral em 2014.

‘Garotinho, o ‘Líder’, entrou na sala muito irritado e disse que precisava de 5 milhões’

Justiça Eleitoral manda bloquear bens de Garotinho e Rosinha

‘Denúncias da Cadeia Velha: vergonha, vergonha, vergonha !!! Ainda vai aparecer muita sujeira por aí’

Segundo a relatora dos processos, desembargadora eleitoral Cristiane Frota, no caso de Rosinha, ‘há evidências concretas de condutas ofensivas às investigações perpetradas por outros membros da organização’.

“Mas não há o liame entre tais condutas e alguma ação efetiva da ré (…) Fundamental, ainda, repisar que a prisão preventiva é medida extrema, que somente se justifica quando ineficazes as demais medidas cautelares”, afirmou.

Após deixar a prisão, Rosinha será submetida a monitoramento eletrônico e proibida de sair de seu município, mas poderá visitar o marido, que continua sob custódia. Ela não poderá manter contato com os demais réus da ação penal e deverá se recolher ao seu domicílio no período noturno e nos dias de folga.

Em relação a Garotinho, a desembargadora eleitoral Cristiane Frota afirmou, em seu voto, que “as medidas cautelares diversas da prisão não se mostram suficientes para resguardar a adequada e necessária instrução criminal”.