Receita autua sonegadores e devedores em R$ 57 bi

Diversas ações de fiscalização e cobrança de sonegadores e devedores estão em curso e levaram a um acréscimo de 29% sobre o que foi lançado em 2014

Fausto Macedo e Julia Affonso

16 Outubro 2015 | 07h42

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Em tempos de aperto fiscal, a Receita intensificou nos últimos meses a fiscalização na tentativa de ‘minimizar os efeitos da crise econômica na arrecadação federal’. Apenas no Estado de São Paulo foram lavrados, de janeiro a setembro de 2015, autos de infração no valor de R$57 bilhões. Esse valor corresponde a um acréscimo de 29% em relação ao que foi lançado no mesmo período de 2014.

A Receita informou, por meio de sua Assessoria de Comunicação, que foram constituídos, também, grupos para acompanhar o comportamento dos principais devedores do Fisco, com aplicação de diversas medidas punitivas, especialmente nos casos em que forem verificados ilícitos ou fraudes. “Dentre tais medidas, destacam-se, conforme o caso: exclusão de parcelamentos especiais como REFIS, PAES e PAEX; inscrição no CADIN; exclusão de benefícios e/ou incentivos fiscais; exclusão do Simples Nacional; arrolamento e bloqueio de bens e representação fiscal para fins penais”, informou a Receita.

Os autos de infração são registrados pelos auditores-fiscais e as ações de cobrança desenvolvidas pelos auditores-fiscais, analistas-tributários, analistas e técnicos do Seguro Social, cada um conforme as respectivas atribuições. A força-tarefa no Estado agrupa mais de 5 mil servidores.


Os créditos constituídos pela Receita não recolhidos são, após vencidas as etapas de cobrança administrativa, encaminhados para inscrição em dívida ativa, quando, então, passam a ser cobrados na esfera judicial pela Procuradoria da Fazenda Nacional.

A Receita divulgou quadros com os nomes dos maiores devedores com débitos inscritos em dívida ativa – 12 pessoas jurídicas e 13 pessoas físicas – do Estado de São Paulo.

Mais conteúdo sobre:

Receita Federal