Raquel pede liberdade para braço direito de Geddel e Lúcio

Raquel pede liberdade para braço direito de Geddel e Lúcio

Procuradora-geral da República levou em consideração que Job Ribeiro, ex-assessor parlamentar, tem colaborado com as investigações

Fabio Serapião/BRASÍLIA

24 Novembro 2017 | 17h12

Bunker dos R$ 51 milhões Foto: PF

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, pediu, nesta quinta-feira, 23, a liberdade provisória de Job Ribeiro Brandão, homem de confiança de duas gerações da família de Geddel Vieira Lima. Ele está preso em regime domiciliar por terem sido encontradas suas digitais nas cédulas do bunker de R$ 51 milhões, em Salvador. Job é assessor dos políticos da família há anos e já trabalhou para o pai, Afrisio Vieira Lima, falecido no ano passado, e para os irmãos Geddel e Lúcio. A petição de Raquel para sua soltura é endereçada ao ministro do Supremo Tribunal Federal relator das investigações, Edson Fachin.

Documento

+ Ex-assessor diz que contava maços de até R$ 100 mil para Geddel
+ Ex-assessor diz que guardava dinheiro vivo em closet da mãe de Geddel

Geddel Vieira Lima. Foto: Dida Sampaio/Estadão

No âmbito das investigações, Job tem feito tratativas para firmar delação premiada e seus depoimentos agravaram a situação dos peemedebistas perante a Justiça. Ele disse que devolvia 80% de seu salário aos irmãos, além de contar e guardar dinheiro vivo em grandes quantidades para o ex-ministro e o deputado federal.

+ Ex-assessor diz à PF que contava dinheiro vivo do posto de Lúcio Vieira Lima

Lucio Vieira Lima. Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O homem de confiança dos peemedebistas foi preso no dia 16 de outubro, mesma data em que o gabinete de Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA) foi alvo de busca e apreensão.

Ele pagou fiança de 10 salários mínimos. A procuradora-geral ressalta que ele se ‘comprometeu a apresentar provas de parte desses crimes que narrou, o que pressupõe sua liberdade de locomoção para diligenciar por elas’.

“Dito isso, a restrição da liberdade de Job ainda que meramente domiciliar, a um só tempo tornou-se inadequada às circunstâncias fáticas recentes e às condições pessoais e também desnecessária para a aplicação da lei e para a conveniência da investigação”, afirma Raquel.

A procuradora-geral ainda diz que ’em favor de Job, ele não apenas confessou sua participação nos fatos como foi além: revelou supostos contextos criminosos, conexos aos investigados no Inquérito n° 4633, até então desconhecidos pelos investigadores’.

“Ouvido pelo MPF e pela Polícia Federal em 14/11/2017, ele teceu detalhes de uma suposta associação criminosa criada para ocultar valores milionários decorrentes de corrupção, organização criminosa e de peculato”, lembrou.