Raquel pede a Corte que respeite jurisprudência da prisão em 2.º grau

Raquel pede a Corte que respeite jurisprudência da prisão em 2.º grau

Procuradora-geral da República, no julgamento do habeas preventivo de Lula, afirmou que "não há nenhum motivo para que o precedente que permite a execução antecipada da pena não seja respeitado" no caso do ex-presidente

Amanda Pupo, Breno Pires e Teo Cury/BRASÍLIA

22 Março 2018 | 16h32

Raquel Dodge. FOTO:DIDA SAMPAIO/ESTADAO

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, defendeu que o Supremo Tribunal Federal (STF) rejeite o habeas corpus preventivo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que tenta evitar a prisão após julgados os recursos pelo Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF-4), que condenou o petista a 12 anos e 1 mês de prisão pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro no processo do caso triplex.

Para a procuradora, que já se havia manifestado em fevereiro contrária ao pedido de Lula, a Corte não pode conceder o habeas corpus por duas razões, uma processual e outra porque o STF permite a prisão após condenação em segundo grau.

De acordo com Raquel, não há nenhum motivo para que o precedente que permite a execução antecipada da pena não seja respeitado no caso de Lula.

A procuradora reafirmou que deve ser respeitado o entendimento da Corte, firmado em 2016, que possibilita a prisão em segundo grau.

“Ao lado do princípio da presunção de inocência, a Constituição brasileira estabeleceu o princípio do duplo grau de jurisdição, e o que essa Corte fez foi que esgotado o duplo grau pode ter início a execução da pena, porque o exame dos fatos esgota-se neste grau de jurisdição”, afirmou Raquel, completando que é preciso manter a jurisprudência em função da “necessidade de dar resolutividade às ações penais”.

A procuradora ainda disse que a decisão tem sido considerada por muitos estudiosos um marco importante para fazer cessar a impunidade no País.

“É por essa razão que nós estamos arguindo a necessidade de se respeitar esse precioso precedente que vem desta Corte”.

Sobre a questão processual, Raquel afirmou que um habeas corpus não pode ser impetrado contra decisão monocrática de um ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ). Ela se refere a decisão do vice-presidente do STJ, Humberto Martins, que negou em 30 de janeiro o primeiro pedido preventivo de liberdade de Lula. Foi contra essa decisão que os advogados de Lula entraram com habeas corpus no Supremo.

Para o advogado do ex-presidente, José Roberto Batochio, esse argumento não deve prosperar porque a defesa pediu para que fosse acrescentada no pedido do STF a decisão do colegiado do STJ, que em 6 de março negou, no mérito, o pedido de Lula. Fachin aceitou esse aditamento no dia 16 de março.

A procuradora falou após a sustentação oral da defesa do ex-presidente, feita pelo criminalista José Roberto Batochio. No momento, está suspensa a sessão para intervalo regimental.

Na volta, Fachin, relator do habeas corpus, apresenta o seu voto. Depois, os votos são proferidos na ordem do ministro mais novo do colegiado para o mais antigo: Alexandre de Moraes, Luís Roberto Barroso, Rosa Weber, Luiz Fux, Dias Toffoli, Ricardo Lewandowski, Gilmar Mendes, Marco Aurélio Mello, Celso de Mello, e, por fim, a presidente da Corte, Cármen Lúcia.

Mais conteúdo sobre:

Lulaoperação Lava Jato