‘Querido presidente’

‘Querido presidente’

PT quer transformar policiais federais de Curitiba em 'carteiros do povo brasileiro'

Ricardo Brandt, enviado a Curitiba, e Luiz Fernando Teixeira

09 Abril 2018 | 12h50

Foto: AP Photo/Denis Ferreira

As lideranças do PT querem que o ex-presidente Lula tenha material de leitura durante o período em que cumpre pena na sede da Superintendência da Polícia Federal do Paraná, em Curitiba, base da Operação Lava Jato. Boletim divulgado pelo Comitê Popular em Defesa de Lula e da Democracia, instituído após a ordem de prisão do juiz Sérgio Moro, convoca a militância para enviar cartas para o petista no ‘cárcere’.

+ Entrada na PF em Curitiba é controlada; militantes começam dia com roda de violão

“O juiz Sérgio Moro, os procuradores da Operação Lava-Jato e os policiais federais de Curitiba pensaram que seriam os carcereiros de Lula, mas na verdade vão ser os carteiros do povo brasileiro para o maior símbolo da luta popular que já existiu no Brasil”, diz o manifesto, informando que a sede da PF fica na Rua Profa. Sandália Monzon, 210, no bairro de Santa Cândida, com CEP 82640-040.

+ ‘A militância fará Lula presidente novamente’, diz Gleisi

A ex-presidente Dilma é uma das lideranças que reforçou, através das redes sociais, o envio de correspondências para Lula. “Mande uma carta para o Lula.”

Lula está preso em uma cela especial no último andar da PF em Curitiba, que funcionava como alojamento para policiais de outras cidades em trânsito pela capital paranaense.

O espaço tem banheiro próprio, com pia, vaso sanitário e chuveiro quente, janelas pequenas de vidro, com grades de segurança doméstica, e um aparelho de TV.

Mais conteúdo sobre:

LulaPolícia FederalDilma Rousseff