Quadrilhão do PMDB da Câmara era dividido em quatro núcleos, diz PF

Quadrilhão do PMDB da Câmara era dividido em quatro núcleos, diz PF

Em relatório no qual atribui 'vantagens' indevidas de R$ 31,5 milhões ao presidente Michel Temer, a Polícia Federal concluiu que peemedebistas se dividiam entre células político/gerencial, administrativa, o empresarial/econômica e o operacional/financeira

Beatriz Bulla e Fabio Serapião, de Brasília

12 Setembro 2017 | 16h26

No relatório em que detalha a atuação de políticos do PMDB da Câmara como uma organização criminosa, a Polícia Federal divide o grupo em quatro núcleos cujos integrantes possuem funções específicas. Para os investigadores, esses núcleos atuavam com divisão de tarefas e de forma compartimentada, mas de maneira harmônica e com interdependência. São elencados o núcleo político/gerencial, o administrativo, o empresarial/econômico e o operacional/financeiro.

De acordo com a PF, o núcleo político/gerencial determinava a nomeação de nomes do núcleo administrativo para posições de chefia ou relevância em cargos públicos. Esse indicados tinham que aceitar as relações criminosas com o núcleo econômico/empresarial para viabilizar o desvio de recursos públicos. Após os desvios, diz a PF, os integrantes do núcleo operacional/financeiro atuavam para efetuar os repasses de vantagens indevidas aos nomes do núcleo político/gerencial.

Sobre os núcleos, os investigadores apontam que o político/gerencial era formado por parlamentares e pessoas ligadas a eles. O administrativo era composto por pessoas colocadas em cargos do corpo técnico de órgãos públicos. Empresários e executivos de grandes empresas nacionais formavam o núcleo empresarial/econômico e operador que atuavam como ‘instituições financeiras clandestinas’ compunham o núcleo operacional/financeiro.

Para a PF, a organização criminosa do PMDB da Câmara identificada na investigação atuou não só na Petrobras, mas também em outros órgãos públicos como a Caixa Econômica Federal, Câmara dos Deputados e Ministério da Agricultura. No entendimento dos delegados, embora as tarefas fossem divididas de forma estruturada, o núcleo político/gerencial tinha ascedência sobre os demais de forma a orientar os que faziam a captação de recursos dos empresário e fazer os valores circularem para financiar o grupo.

Procurada pelo Estado, a assessoria do PMDB não respondeu até a publicação da reportagem.

 

 

Mais conteúdo sobre:

PMDBoperação Lava Jato