Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Politica » PT pede convocação de Robson Marinho para explicar caso Alstom

Política

Politica

CASO ALSTOM

PT pede convocação de Robson Marinho para explicar caso Alstom

Deputados querem que conselheiro de contas fale sobre propinas

Lilian Venturini

21 Maio 2014 | 17h08

 por Fernando Gallo e Fausto Macedo

Deputados do PT na Assembleia Legislativa de São Paulo querem convocar o vice-presidente do Tribunal de Contas do Estado, Robson Riedel Marinho, para prestar esclarecimentos sobre denúncias de favorecimento à multinacional francesa Alstom.

O líder da bancada, João Paulo Rillo, e os deputados Alencar Santana, Geraldo Cruz, Zico Prado, Isac Reis e Luiz Moura são autores de requerimentos de convocação apresentados nesta quarta-feira, 21, nas comissões de Infraestrutura e de Fiscalização e Controle.

Robson Marinho foi coordenador da campanha que elegeu Mário Covas governador de São Paulo (1995-2001). Ele foi chefe da Casa Civil do tucano de 1995 a abril de 1997 – neste ano, seu padrinho político, Covas, o nomeou para o cargo de conselheiro do TCE.

Segundo investigação do Ministério Público, Marinho recebeu propinas da Alstom já como conselheiro de contas. Pelo menos US$ 2,7 milhões passaram por uma conta secreta de Marinho, em nome da offshore Higgins Finance Ltd.

Em outra frente de investigação, a promotoria rastreia a evolução patrimonial do conselheiro. O Tribunal de Contas do Estado enviou ao Ministério Público cópia da declaração de rendas de Marinho referente a 2013. A promotoria pediu informações sobre outros exercícios para fazer a comparação.

Quando todos os dados patrimoniais do conselheiro forem reunidos, peritos do Centro de Acompanhamento e Execução (Caex) – braço do Ministério Público – irão preparar laudo específico com avaliação de cada bem.

Os deputados do PT pedem que Marinho preste esclarecimentos sobre propinas pagas pela empresa Alstom a empresas de consultoria ligadas ao atual conselheiro do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo para obter vantagens em contratos com o setor elétrico do governo paulista entre os anos de 1998 e 2002.

Marinho é suspeito de ter recebido propinas pagas pela Alstom no fechamento do aditivo de um contrato de fornecimento de estações de energia, em 1998. O contrato foi assinado pela Alstom/Cegelec, naquele ano, com a Eletropaulo/EPTE (Empresa Paulista de Transmissão de Energia), então controladas pelo governo paulista.

“É indispensável aprofundar o debate sobre estas graves acusações envolvendo o conselheiro do Tribunal de Contas do Estado”, destaca João Paulo Rillo. A convocação de Marinho deverá ser deliberada na próxima reunião das comissões.

O PT já pediu afastamento de conselheiro ao Ministério Público.

Em março, a bancada petista protocolou junto à Procuradoria Geral de Justiça pedido de afastamento cautelar de Robson Marinho, de suas funções, enquanto perdurarem as investigações de participação no esquema de favorecimento e recebimento de propina.

 

Mais conteúdo sobre: