1. Usuário
Assine o Estadão
assine


PT afirma que denúncias ‘não merecem crédito’

Redação

05 fevereiro 2015 | 16:39

Em nota oficial, partido repudia informação de que recebeu US$ 200 milhões em propinas

Por Fausto Macedo, Ricardo Brandt, Mateus Coutinho e Julia Affonso

O PT reagiu às denúncias do delator Pedro Barusco, ex-gerente de Serviços da Petrobrás. O partido, em nota oficial divulgada nesta quinta feira, 5, destacou que recebe “apenas doações legais”. Barusco afirmou em delação à força tarefa da Operação Lava Jato que o tesoureiro do PT João Vaccari Neto arrecadou até US$ 200 milhões em propinas para o partido, no período entre 2003 e 2013 – valor relativo a 90 contratos firmados pela estatal petrolífera.

Na nona fase da Operação Lava Jato, denominada My Way, o tesoureiro do PT, João Vaccari, foi levado à PF para depor. Foto: Felipe Rau/Estadão

O tesoureiro do PT, João Vaccari Neto prestou depoimento à PF nesta quinta-feira, 5. Foto: Felipe Rau/Estadão

Em nota oficial de sua Assessoria de Imprensa, o PT considera que “as novas declarações de um ex-gerente da Petrobrás seguem a mesma linha de outras feitas em processos de ‘delação premiada’”. O partido repudia os termos da delação de Barusco e assinala que tais denúncias “têm como principal caracteristica a tentativa de envolver o partido em acusações “.

O PT ressalta que essas acusações são feitas “sem provas ou sequer indícios de irregularidades, portanto, não merecem crédito”.

LEIA A ÍNTEGRA DA NOTA OFICIAL DO PT

“A assessoria de imprensa do PT reitera que o partido recebe apenas doações legais e que são declaradas à Justiça Eleitoral. As novas declarações de um ex-gerente da Petrobras, divulgadas hoje, seguem a mesma linha de outras feitas em processos de “delação premiada” e que têm como principal característica a tentativa de envolver o partido em acusações, mas não apresentam provas ou sequer indícios de irregularidades e, portanto, não merecem crédito. Os acusadores serão obrigados a responder na Justiça pelas mentiras proferidas contra o PT.”