Promotoria e Polícia revelam esquema de propinas dos primos do governador de MT

Promotoria e Polícia revelam esquema de propinas dos primos do governador de MT

Leia a íntegra da representação do Ministério Público do Estado na Operação Bônus pela reclusão dos advogados Paulo Taques, ex-chefe da Casa Civil, e Pedro Jorge Zamar Taques, primos do tucano Pedro Taques e sob suspeita de integrarem organização criminosa para corrupção no Detran

Luiz Vassallo

10 Maio 2018 | 14h01

Paulo Taques. Foto: Site do Governo do Mato Grosso

Documento do Ministério Público de Mato Grosso revela os detalhes da atuação do grupo supostamente liderado por dois primos do governador Pedro Taques (PSDB), os advogados Paulo Taques e Pedro Jorge Zamar Taques, para arrecadação de propinas por meio de contrato do Departamento Estadual de Trânsito (Detran). Os primos do tucano foram presos nesta quarta-feira, 9, na Operação Bônus, junto com o deputado estadual Mauro Savi (DEM).

+ Paulo Taques pagou R$ 50 mil em dinheiro vivo para bancar grampos, diz cabo da PM

Documento

O governador Pedro Taques não é citado na investigação, mas os primos estão no topo da organização, segundo os investigadores.

Paulo Taques exerceu o cargo de chefe da Casa Civil de Mato Grosso, entre janeiro de 2015 e maio de 2017. Ele teria recebido pelo menos R$ 2,6 milhões em propinas.

“Ao visualizar a possibilidade de ascensão ao governo do Estado e tendo conhecimento da existência da organização criminosa e do esquema ilícito por ela operado dentro do Detran/MT, Paulo Cesar Zamar Taques, Pedro Jorge Zamar Taques e Valter José Kobori, os dois primeiros primos do atual Governador e amigos de longa data do terceiro, não perderam tempo em tornar-se parte da organização e iniciar a solicitação e recebimento de propina em razão do cargo público que futuramente Paulo Cesar Zamar Taques viria a ocupar, qual seja, o de secretário-chefe da Casa Civil de Mato Grosso”, assinalam seis promotores de Justiça e quatro delegados da Polícia de Mato Grosso que subscrevem o documento.

Eles citam interrogatório de José Ferreira Gonçalves Neto. “Após acertar o fim do pagamento de propinas através da Santos Treinamentos, autorizou Valter José Kobori, contratado por ele como Chief Executive Officer – CEO da EIG Mercados Ltda, a negociar o pagamento de propina com o novo governo a fim de manter o contrato entre sua empresa e o Detran/MT, em razão do que, antes mesmo do resultado das eleições de 2014, Valter Kobori lhe disse que já havia combinado com Paulo Cesar Zamar Taques o auxílio para a manutenção do contrato.”

COM A PALAVRA, OS PRIMOS DE PEDRO TAQUES
A reportagem fez contato com o escritório Zamar Taques, de Cuiabá. O espaço está aberto para manifestação da defesa dos advogados Paulo Taques e Pedro Jorge Zamar Taques.

O espaço também está aberto para manifestação da EIG Mercados e da Santos Treinamentos.