Promotoria denuncia bispo de Formosa por associação criminosa

Promotoria denuncia bispo de Formosa por associação criminosa

Leia a íntegra da acusação à Justiça contra dom José Ronaldo, preso na Operação Caifás, e outros dez investigados por esquema de desvio de R$ 2 milhões do dízimo dos fiéis

Julia Affonso e Fausto Macedo

23 Março 2018 | 15h43

Foto: Ministério Público de Goiás

Os promotores de Justiça Fernanda Balbinot, Paula Moraes de Matos, Julimar da Silva e Douglas Chegury denunciaram nesta quinta-feira, 22, dom José Ronaldo, bispo de Formosa, por apropriação indébita, associação criminosa e falsidade ideológica. Preso temporariamente desde segunda-feira, 19, na Operação Caifás, dom José Ronaldo teve a custódia convertida em preventiva pela Justiça.

Documento

A acusação do Ministério Público de Goiás atinge ainda monsenhor Epitácio Cardozo Pereira, o contador Darcivan da Conceição Serracena, o bispo José Ronaldo Ribeiro, o secretário da Cúria Guilherme Frederico Magalhães e o juiz eclesiástico Tiago Wenceslau de Barros Barbosa Júnior.

‘Nada de propina, para rezar é preciso coragem e paciência’

Monsenhor preso com R$ 70 mil em espécie diz que gosta de perfumes

Foram denunciados também os padres Moacir Santana, Mário Vieira de Brito e Waldson José de Melo e os empresários Antônio Rubens Ferreira e Pedro Henrique Costa Augusto e o advogado Edimundo da Silva Borges Júnior. À exceção dos empresários Antônio Rubens e Pedro Henrique, todos os demais responderão pelo crime de associação criminosa.

Promotoria suspeita que bispo comprou até fazenda de gado e casa lotérica com dízimo dos fiéis

+ VÍDEO: ‘Nossa, olha o tanto de dinheiro aqui!’

Nesta semana, o Papa Francisco nomeou o arcebispo de Uberaba (MG), dom Paulo Mendes Peixoto, administrador apostólico da Diocese de Formosa. A função de dom Peixoto será governar a Diocese que com a prisão de dom José Ronaldo ficou sem bispo.

Dom José Ronaldo foi preso por suspeita de articular um esquema na Igreja Católica que teria desviado R$ 2 milhões do dízimo e das doações dos fiéis.

O Ministério Público começou a investigar o esquema de desvios na Diocese de Formosa em dezembro, a partir de denúncias de fiéis que exigiam transparência na prestação de contas da Igreja.

A investigação mostra que, além do dízimo e das doações, o grupo de religiosos teria desviado dinheiro arrecadado em eventos festivos da Igreja.

COM A PALAVRA, A DIOCESE DE FORMOSA

A reportagem fez contato com a Diocese de Formosa, mas não houve retorno. O espaço está aberto para manifestação da Diocese e da defesa de dom José Ronaldo e dos outros religiosos denunciados pelo Ministério Público.

Mais conteúdo sobre:

FormosaGoiás