Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Política

Politica » Promotor vai definir nova data para depoimento de Lula

Política

Promotor vai definir nova data para depoimento de Lula

Promotor vai definir nova data para depoimento de Lula

Cássio Conserino, que investiga tríplex no Guarujá que seria do ex-presidente, pode retomar o caso a partir de decisão unânime do Conselho Nacional do Ministério Público

0

Beatriz Bulla, de Brasília

23 Fevereiro 2016 | 17h15

Campanha do ex-presidente Lula foi citada pelo ex-diretor Nestor Cerveró. Foto: JF Diorio/Estadão.

O ex-presidente Lula. Foto: JF Diorio/Estadão.

O promotor Cássio Conserino, responsável por conduzir a investigação sobre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e suposta ocultação de patrimônio no tríplex do Guarujá, deve retomar amanhã a análise do caso e avaliar o agendamento do depoimento do petista e de sua esposa, Marisa Letícia. Ele afirmou, ao deixar o Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) nesta tarde, que irá avaliar a partir de amanhã a situação do casal. No início desta tarde, o conselho confirmou a competência do promotor para permanecer à frente da investigação.

Há uma semana, o conselheiro Valter Shuenquener, integrante do CNMP, suspendeu de forma liminar o depoimento de Lula e Marisa que estava marcado para o último dia 17. Ao levar o caso para discussão no plenário do órgão nesta terça-feira, 23, contudo, Shuenquener votou pela manutenção de Conserino no caso e revogou a liminar. Os demais 13 integrantes do órgão seguiram o entendimento do relator.

[veja_tambem]

O procurador-geral da Justiça de São Paulo, Márcio Elias Rosa, comemorou a decisão tomada pelo CNMP. Para Elias Rosa, a decisão confirma o acerto de “todos os atos” de apuração praticados no Ministério Público de São Paulo. “O CNMP confirmou o acerto de todos os atos praticados neste caso e, mais do que isso, reconheceu que lá em São Paulo continuamos regendo a investigação tal como está estabelecido”, afirmou, ao fim da sessão plenária do órgão.

cassioconserinorep

O promotor do Ministério Público de São Paulo, Cássio Conserino. Foto: Reprodução

“A decisão é boa no sentido de que reconhece novamente a possibilidade do MP investigar, mantém inalterado seu poder investigatório e também a sua capacidade de regulamentar o modo como ele faz. A regulamentação, a forma, o procedimento é estabelecido pelo próprio Ministério Público”, afirmou o procurador-geral de Justiça. Segundo ele, a decisão do CNMP “pode determinar a modificação” da forma de distribuição de investigações em São Paulo quando houver mais de um promotor possível para o caso.

O plenário do Conselho Nacional do Ministério Público recomendou que seja adotada a livre distribuição de investigações no órgão paulista, mas com aplicação somente para casos futuros. Por isso, a apuração envolvendo Lula permanece sob condução dos promotores já destacados para o caso.

“O MP-SP agiu de acordo com as normas e ditames legais aplicáveis ao caso e a investigação, felizmente para a nação brasileira, prossegue”, afirmou o presidente da Associação Paulista do Ministério Público, Felipe Locke Cavalcanti.

Defesa de Lula – Os advogados do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmam que ainda vão definir o “próximo passo” a ser tomado. No CNMP, o advogado Cristiano Zanin defendeu a redistribuição do processo. Ao deixar a sessão, Zanin afirmou que a discussão sobre a nulidade da apuração por conta da condução do caso “ainda vai ocorrer”. A decisão tomada pelo CNMP tem efeito administrativo, restando ainda a esfera judicial para que o ex-presidente conteste a investigação.

“Hoje o conselho decidiu que não enfrentaria essa questão específica. Então essa discussão poderá vir a ocorrer, ou no Ministério Público de São Paulo ou no Poder Judiciário. Vamos aguardar e ver o próximo passo”, afirmou o advogado.

Comentários