Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Politica » Promotor do tríplex afirma que não haverá condução coercitiva de Lula

Política

Promotor do tríplex afirma que não haverá condução coercitiva de Lula

Politica

GUARUJá

Promotor do tríplex afirma que não haverá condução coercitiva de Lula

Em e-mail para o escritório dos defensores do petista, Cássio Conserino retransmite informação de oficial da Promotoria criminal esclarecendo que o modelo utilizado para notificação 'referiu-se a testemunha e não a investigado'

0

Fausto Macedo e Julia Affonso

01 Março 2016 | 14h12

Fachada do Condomínio Solaris, no Guarujá. Foto: MOTTA JR./FUTURA PRESS

Fachada do Condomínio Solaris, no Guarujá. Foto: MOTTA JR./FUTURA PRESS

O promotor de Justiça Cassio Conserino, que investiga o tríplex 164/A no Condomínio Solaris, no Guarujá, que seria do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, retransmitiu nesta terça-feira, 1, nota de esclarecimento, via e-mail, ao escritório do advogado Cristiano Zanin Martins informando que ‘não haverá qualquer condução coercitiva’ do petista nem da ex-primeira dama Marisa Letícia para prestar depoimento em procedimento criminal sobre o imóvel.

Nesta segunda-feira, 29 de fevereiro, o escritório Zanin Martins ingressou no Tribunal de Justiça de São Paulo com pedido de habeas corpus preventivo contra eventual condução coercitiva de Lula, cujo depoimento está marcado para quinta-feira, 3, na Promotoria da Capital.

O promotor Conserino intimou o ex-presidente na condição de ‘investigado’ por suspeita de lavagem de dinheiro. O promotor também quer ouvir Marisa Letícia e o filho mais velho do casal, Fábio Luiz, além do empresário Léo Pinheiro, da OAS, empreiteira que teria bancado uma reforma milionária do tríplex.

A intimação enviada para Lula, via seus advogados, advertia para a possibilidade de condução coercitiva do ex-presidente caso não comparecesse à Promotoria. O promotor esclareceu que houve ‘um equívoco’ – condução só pode ser usada para testemunha que se recusa a depor, não para investigado, caso de Lula neste procedimento.

[veja_tambem]

Com receio de que Lula possa ser levado à força para depor, seus advogados entraram com habeas corpus no Tribunal de Justiça – o pedido ainda não foi distribuído na Corte.

Nesta terça, 1, o promotor Cássio Conserino retransmitiu e-mail ao escritório dos defensores do petista. “Esclarece-se que o modelo de notificação utilizado pelo CAEX (Centro de Apoio a Execução) referiu-se a testemunha e não a investigado, hipótese de seu cliente. Por essa razão informa-se que não haverá qualquer condução coercitiva mantendo-se apenas a notificação para esclarecimentos em homenagem à auto defesa, no dia 3 de março de 2016, conforme já notificado.”

Mais conteúdo sobre:

Comentários