Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Política

Politica » Procuradoria em SP cria força-tarefa para Lava Jato

Política

Procuradoria em SP cria força-tarefa para Lava Jato

Procuradoria em SP cria força-tarefa para Lava Jato

Quatro procuradores da República compõem equipe que vai investigar fatiamentos da investigação deslocados para São Paulo, inclusive caso Consist - empresa que teria realizado supostos repasses à senadora Gleisi Hoffmann (PT/PR)

0

Ricardo Brandt, Julia Affonso e Fausto Macedo

11 Novembro 2015 | 05h00

Edifício do MPF em São Paulo. Foto: PRSP

Edifício do MPF em São Paulo. Foto: PRSP

O Ministério Público Federal em São Paulo criou Grupo de Trabalho para investigar desdobramentos da Operação Lava Jato. Quatro procuradores da República integram a equipe: Silvio Luís Martins de Oliveira, Rodrigo De Grandis, Andrey Borges de Mendonça e Vicente Solari de Moraes Rêgo Mandetta.

O primeiro caso sob análise do Grupo de Trabalho é relativo às empresas do Grupo Consist Software, que fecharam contratos sem licitação com o Ministério do Planejamento provocando suposto desvio de R$ 52 milhões na área de empréstimos consignados. A Consist nega irregularidades.

[veja_tambem]

A Lava Jato chegou ao caso Consist em agosto, quando prendeu o ex-vereador de Americana (SP), Alexandre Romano, o Chambinho (ex-PT). Ele teria elo com um escritório de advocacia de Curitiba que atua em causas de interesse do PT.

Chambinho está em prisão domiciliar, com tornozeleira eletrônica. Quando o caso ainda estava sob o crivo da Justiça Federal no Paraná, base da Lava Jato, investigadores apontaram supostos repasses para custeio de despesas de campanha da senadora Gleise Hoffmann (PT/PR).

Por isso, o juiz federal Sérgio Moro, que conduz a Lava Jato em Curitiba, enviou para o Supremo Tribunal Federal todos os dados relativos à petista. A Corte máxima manteve sob sua guarda essa etapa da investigação porque Gleisi detém foro privilegiado.

Foi enviada para São Paulo a parte que não cita políticos. Gleisi nega ter recebido valores ilícitos. O caso Consist foi distribuído para a 6. Vara Criminal da Justiça Federal no início de outubro. A 6.ª Vara tem como juiz titular João Batista Gonçalves.

Mais conteúdo sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato

0 Comentarios