Procuradoria Eleitoral abre investigação contra Skaf

Procuradoria Eleitoral abre investigação contra Skaf

Procedimento preparatório foi instaurado para apurar se presidente da Fiesp 'estaria se utilizando da propaganda do chamado Sistema S ( Fiesp, Sesi e Senai) para expor sua imagem de eventual pré-candidato, em desrespeito à legislação eleitoral'

Luiz Vassallo

22 Novembro 2017 | 17h47

Inserções da legenda com presidente da Fiesp levaram à condenação pelo TRE-SP. Foto: Reprodução

A Procuradoria Regional Eleitoral em São Paulo (PRE-SP) instaurou procedimento preparatório eleitoral para apurar se Paulo Skaf, presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), estaria se utilizando da propaganda do chamado Sistema S ( Fiesp, Sesi e Senai) para expor sua imagem de eventual pré-candidato, em desrespeito à legislação eleitoral.

+ PF abre inquérito para investigar Skaf, Steinbruch e Palocci
+ Funaro cita entrega de R$ 500 mil para campanha de Skaf a pedido de Temer
+ Joesley pediu ajuda a aliado de Temer para ‘alinhar’ versão com Duda sobre R$ 2 mi em notas frias

As informações foram divulgadas pela Procuradoria da República em São paulo.

O procedimento destina-se a apurar a eventual materialidade de ilícito eleitoral, considerando a exposição que o presidente da Fiesp, provável candidato ao governo do Estado de São Paulo nas próximas eleições, teria tido nos últimos meses, por meio da propaganda institucional do Sistema S.

COM A PALAVRA, SKAF

Toda a publicidade da Fiesp, SESI-SP e SENAI-SP tem natureza institucional. Seu objetivo é divulgar programas e projetos das entidades. Além disso, se presta a informar à Indústria, que custeia as entidades, sobre a boa gestão e os bons resultados alcançados. Não existe qualquer conotação partidária associada a essa atividade. A eventual utilização de imagem de funcionários e dirigentes é uma opção das entidades, sempre aprovada expressamente pelos seus respectivos Conselhos. Ela segue: 1) regramento das próprias entidades, 2) do Sesi/Senai nacional e 3) do Tribunal de Contas da União. Todas essas regras sempre foram cumpridas rigorosamente.
Por estas razões, estamos tranquilos e prontos para prestar quaisquer esclarecimentos que a Procuradoria considerar necessários.

Mais conteúdo sobre:

Paulo SkafPaulo Skaf